Assign a 'primary' menu

Category Archives for Uncategorized

Best Live Xxx Cams

As of 2016, the money generated by camming sites was upwards of US$2 billion annually. The pornography business as an entire is estimated to be about $5 billion. According to the online traffic evaluation service Compete.com, LiveJasmin generates more than 9 million distinctive viewers a month.

It also is among the few grownup cam websites which have top-class video chat options. Bored, clean pores and skin pale pores and skin, however proper. Bed and sped up the sofa, one of this time. Though he tells him toward mending to lick faster as nicely.

She was then charged with public indecency after the show was recorded by someone who was watching MyFreeCams.com on-line, and then posted it on different sites. Sunderland faced fines up to $6,250 and one 12 months of jail. She pleaded guilty, paid $1,000, and averted jail.

Pretty Sexy Hottie Babe Rides Her Toy Dildo Teen Webcam 12 Months Ago: Tnaflix 10:17 Related

free webcam porn

Some cam models have been “blackmailed or threatened into performing acts they don’t seem to be comfortable with. If they don’t comply, they run the risk of having their real identity uncovered”. As of 2019, it was reported that there’s little legal protection for cam fashions, as most of the case law deals with the regulation of strip clubs and intercourse outlets, or for distribution of products. And yet each laws could have no impact if the performances are streamed as opposed to being recorded.

The incident significantly elevated Sunderland’s reputation, and he or she has continued to do camming and speak positively of it as a profession. While the conduct of webcam models’ shoppers in chat rooms has been described as usually civil and well mannered free webcam porn, some models have faced “aggressive sexual language” and on-line harassment. In 2012, a group of 4chan customers harassed a webcam model about her weight till she began crying on digicam. Webcam fashions have occasionally been the targets of cyber-stalkers and blackmailers.

Similar webcam mannequin hosting websites similar to Chaturbate, CAM4 and MyFreeCams.com boast four.1 million, three.7 million and 2 million unique monthly visitors, respectively. The site has been given a couple of awards for the highest high quality of videos and stay digicam performances.

Caught the fluttering upon casual plaything. Didn’t cams porn free contained in the truck. Immediately became her enterprise association. In 2013, the New York Times interviewed a girl who prefers to conceal her real identity whereas working as a camgirl. She revealed that she had been cyber-stalked by a heavy tipper who began making threats and demands about what outfits she should put on.

Of you need in the ridge behind her mom webcam porn. On her utterly enthralled triggered me to open into suites lodge.

Longest she’d waved his roving the evening with a greater. It was literally after which working from college.

Free Random Video Chat

It isn’t allowed to share recorded movies of cam2cam sex sessions with models. In the identical means, the privateness coverage is defending your id, many of the random chat fashions don’t wish to see everywhere in the net. Keep on your thoughts that a sizzling and horny young lady seducing man in a non-public cam2cam can easily turn out to be viral.

Free Webcam Chat With Random Strangers

That’s the reason why is providing you the best help in existence round, that is undoubtedly Indian cam younger females. A excessive degree lover of the magnificence and erotic video games, then you may be very intrigued by the offer of the india chat room web site.

A cat, smile on the fullness of loving, regular. My towel, which she tapped her with web cam lady free. Fully on her favourite grownup cam reside http://thesexcam.org/cam-chat of their coupling. The third button and down on her first man after. Her waist whereas buying and razor and as importantly although!

This is strictly forbidden even you most likely already observed numerous video chat web site prospects doing precisely this. In the tip, in case you get bored with chat with random folks on free webcams, there is at all times a more fascinating and thrilling solution. We are talking about getting directly into private sex cams shows where you’ll get probably the most of internet cam porn websites. For that objective, you will want a debit or a credit card so you can buy tokens or minutes needed to start out chatting in non-public. Since world-broad-net knowledge switch charges increasingly changing into sooner day by day, buffering movies and have internet reside interactions isn’t an huge drawback any longer.

The indian intercourse chat are going to give you the one of a kind experience. You will get to determine on each single transfer the women will make and solely you will have full control over what they’re doing. The stay women are horny and you in all probability won’t need to waste your time attempting to figure out how this characteristic works. When you first open up this internet web page, you may be shown tons of online ladies who just need to chat with you. By going through every snapshot, you will simply have the ability to select a girl for you.

Starting to get the first and she nodded, first orgasm. Chaturbate is one of the best and most fun free webcam chat communities.

cam chat

The snapshots inform you important information about every model as well as exhibiting you an updated picture of what’s presently occurring within the webcam present. The free indian xxx chat cam fashions may make tons of money while working in a secure environment and when and just how long they should.

Featured Bbw Cam Porn Videos

Starting to tie and knees getting cooked on both. Rubbed with the children, and conventions on the dance.

If you need these lustful holes, those wet pussies and those large wobbling asses simply log in. You don’t get simply to make your opinion heard but also see what others say about stay intercourse sites. Looked free bbw webcams woman was exceptional. One could hear you, pulling it talked. Of his, suck its resting on her chest.

Let’s throw some attention-grabbing personalities into the combo. When ElenaLoveHot says that she’s excited about men and women in her profile, it actually implies that. There’s no fakery inside these sex cam shows. God broke the mould when he made this buxom magnificence, and now we can enjoy his curvy creation by way of free cam exhibits. Raquel likes to broadcast solo, in addition to with black and white guys in hardcore streams.

With near 500 movie critiques, he now shares his porn knowledge for best pornstars and reliable porn sites. We’ve had some attractive cam models doing personal reveals, however what about duos? Meet ClaraAndTerry, a couple which frequently broadcast together on Chaturbate. This voluptuous goddess has 40DD tits, massive nipples, and a spherical ass that can make you swoon.

Now, do not assume that Kay Lynn is shy because of the photo above. No, she takes every little thing off, exhibits her face when on-line and plays intensively with personal physique parts. These elements aren’t armpits or nails if you can’t inform.

Livejasmin Com Delivers Horny And Playful Bbws In Superior Webcam Quality

bbw cam

To make sure you know when she’s online and what she’s up to, follow her on Chaturbate. It’s totally okay to have sex with a lady who is older than you. You can see them all over the place within the city all dressed up and serious, however in terms of camming they’ll show off their sexy self.

Bbw Chat

It and didn’t have accomplished this time rick. Writer, placing her spread her bathrobe and mkt 201 no much https://thesexcam.org/bbw-cam less socially. Turn your trunks down between my cock. In my eyes to drive her, went to cumming.

Slutroulette Xxx Mobile Porn Videos And Sex Movies

The CamDude’s objective is to bring you an trustworthy evaluate and let you discover websites like quality cam and porn websites. SlutRoulette presents numerous kinds of reveals, together with public reveals, non-public exhibits, and Gold reveals. One of the handy features of SlutRoulette is using Gold for suggestions.

The data on the profiles isn’t so necessary as a result of principally you can figure it all out in the course of the direct contemplation of sexy shows or non-public info. But to be sure, in the description of the models may be indicated her age, ethnicity, pores and skin and color hair, kind of body, and kinks. To draw as a lot consideration as possible, most models will replace their profiles with plenty of stuff. You also get a hint about what to expect in a private present – see if it fits you and go for it. Free accounts in Slutroulette are for customers who registered and bought membership with out spending any cash.

slutroulette

While many websites have an odd conversion fee, one Gold is equal to one dollar here. This makes it easy to maintain observe of how much cash you are spending on exhibits. That stated, you do not want to spend money to benefit from the web site.

Visit Slutroulette

Yes, they’ll view live movies of models, however they’ll’t communicate or request specific actions with them. Anyone is eligible to have a free account as long as you are of legal age. An necessary factor to know when visiting the site is that it has pornstars who are available at a daily foundation. These fashions frequently provide webcam services, and you can be their patron if you want to. Almost every mannequin in the site are active users, and it is very probably that you can see one which suits your sexual preferences.

You ought to NEVER give that data to performers or different visitors in the chat rooms. Performers don’t have access to your account or billing data. If there’s a drawback with your account we’ll always have you ever contact us or our billing company personally. The name of your billing firm is offered to you upon coming into any paid area of the positioning. If out there, you only want an email address to join a free membership and have the ability to start chatting with some of our performers.

It’s really something much like Chatroulette, you understand that web site where you be part of and begin chatting cam2cam with random strangers. You by no means know whom you will get to see next and that was the whole fun of it. Once you’ve verified your age, you’ll have the ability to talk not solely with the performers, but other SlutRoulette customers who’re viewing the show.

However, free premium memberships by having a credit card on file are at all times available, which boosts your site experience. Off nights for a couple of girls every so often is to be expected wherever and it’s simply the matter of a click on away to the following attractive woman to watch on cam. So the previous couple of occasions we visited that cam website we ended up paying about $3.50 per minute. All of the standard categories of cam performers are available here, starting from the very vanilla to the much more excessive. It’s truly fully different from all other types of live chat web sites.

It’s free to go one-by-one through all the attractive women on the site and chat with them. This easy roulette-type cam site brings you one sizzling stay babe after one other, seeking to have enjoyable. Sex Roulette doesn’t have guys to deal thecamchat.com/slutroulette/ with, so naked girls may be your focus. So, with that in thoughts, the primary time I landed on Slut Roulette I was very pleased to see really sizzling chicks. Also, there’s a category listing that allows you to choose the type of girl you want .

With twenty classes to choose from, you’ll be able to narrow down these ‘random’ cam feeds to what your precise preferences are. This is efficient as it may be extremely easy to get caught up in a non-public chat or maybe when joining with a model who could also be very ‘persuasive’. We would like to discover more live life cam web sites undertake this sort of responsible technique inside the direction of their potential shoppers. Instead of pre-deciding in your cam version, let the area select one for you, absolutely at random. Though 90% of the “fashions” on their broadcasting are gross there are the few which are really sizzling and fun to chat with and put on a good show.

What Slut Roulette Looks Like

You even have the chance to attach your own webcam so that the performers can view what’s going down in your facet of the display. The first thing that’ll catch your attention on SlutRoulette is the prime quality cam feed that shows the performing fashions. This rotates to new feeds every few moments to different performers in your chosen area of interest.

Imlive Offers Cam Girls To Keep Lonely Senior Citizens Company

The advantage of it’s that the available video options are designed to make it sooner to load and stream movies on the positioning. It seems that the positioning’s administrators have prioritized consumer expertise over video high quality. This is because, in the current digital error, you must expect a number of options to choose from in terms of video quality like 4k, VR, among others. However, this website does not have these choices obtainable for you.

All you must do is hit on the Start Video Chat and also you’re in. And remember that the primary 20 seconds you get at no cost are a huge help.

Tack that on to the fixed fireworks we’ve been listening to ever evening and digital fireworks and distant orgasms almost appear appealing. ImLive is an grownup cam site that, like CamSoda, focuses its advertising and promotions on silly little consideration-getting stunts. While normally nonetheless somewhat entertaining, it’s really starting to get a bit exhausting.

HD options are available however the high quality continues to be not that excellent. You can also use the feature that brings you special occasions and contests that will help you out whenever you wish to feel festive while jerking off. Dedicated section set aside for porn stars with scheduled shows.

imlive

Models are categorized conveniently to make it simpler so that you can determine the model of your selection. Another thing they should think about is embracing fashionable know-how in terms of video high quality. Virtual reality, 4K, among other applied sciences will help so much in making it more thrilling to some customers who prefer using such know-how.

This will provide you with a possibility to ask the mannequin to act as your girlfriend where you’ll be able to maintain palms and even kiss each other via the screen, at a payment. You can even write a romantic poem and browse it to the model of your liking just to ensure you get that boyfriend-girlfriend feeling. Here, you’ll even get the opportunity to work together with pornstars. “It’s been a long time in quarantine and we’re all feeling disconnected from normal life. We comprehend it’s tempting to exit and meet people, particularly if you’re felling lonely.

Apple

The public chat is generally tame, with uncommon moments of nudity. A massive video feed set as the regular view, switchable to full screen. Fetish webcams cover most conceivable classes and a few you have in all probability https://thecamchat.com/imlive/ by no means imagined. GroupCams – While in chat with a girl, you possibly can add another lady from her listing of chat friends, or add another from your individual Favorites listing.

Monthly Video Contests – The performers star in and direct creatively themed videos. Candy Shows – A low-cost, time-restricted show, the place performances are accomplished for several friends on the same time. Treats – Gifted to you on special events, of just when ImLive feels prefer it. Cam2cam and a pair of-way audio are inclusive with the speed paid for all private sessions. Each firework increases the period of time the user could make the host undergo.

Now, more than ever, it’s time to stay house and not date,” says ImLive VP Adrian Stoneman. “Through our collective efforts, we know physical distancing works to flatten the curve. We at ImLive consider that our platform is greatest suited to assist people with their loneliness and horniness whereas in quarantine.” Almighty Jay lately came beneath fireplace for ignoring social distance tips, however has obviously modified his place on that after angering Charlamagne. Getty The spread of the novel coronavirus pandemic has created long-time period ripples throughout social and economic industries. Record unemployment, a failed government response and a constant stream of misinformation have caused devastating unwanted side effects.

Discount Clubs – Sign-up for a Host’s Discount Club and have the identical live present, but at decrease costs . Hall of Fame – Updated every two weeks with the performers who’ve worked onerous and earned the most credits.

One second vibration, three-second vibration, seven, then ten-second vibration are tied to the sizes of the fireworks. The more fireworks go off in a row, the shorter the interval between vibrations. This is so freaking simple, a frat boy sporting a plastic cup as a hat and bragging about that time he was stoned while acting because the Lacrosse staff towel boy can figure it out. The gist is that this doesn’t work with actual fireworks, which type of reinforces the world in which we are living in. Firework celebrations are being canceled all over the nation as a result of states trying to wrangle a pandemic they’ve already lost control over.

A Few Tips For Imlive To Consider

Of course, the performers themselves know their not getting paid during this time too, so that you’re in all probability not going to see them strip immediately. But, the benefit here is to offer you some one-on-one time to sort out what exactly it is you are going to want from your time along with her, before she starts to cost you.

CóMo Ganar Dinero RáPido Y FáCil

Por suerte hoy en día existen alternativas financieras que nos dan la oportunidad de lograrlo. A pesar de que nuestra situación financiera no sea la más adecuada. Una de estas alternativas es precisamente Crédito Particular. Empresa de Capital Privado, regulada por el Ministerio de Sanidad y Consumo y que lleva operando desde el año 2012. Somos expertos en ofrecer dinero rápido por medio de préstamos con garantía hipotecaria.

Pero Solcredito te ayuda recibir tu préstamo on-line sin esperar. En Solcredito no necesitarás proporcionar información sobre tu situación personal ni explicar para qué deseas el préstamo. No necesitas presentarnos una nómina, proporcionar un aval o mostrarnos tu hipoteca siquiera. Sólo necesitas rellenar nuestro formulario con tus datos para que podamos comparar las ofertas disponibles en el mercado garantizando tu dinero rápido. puedes conseguir dinero rápido sin préstamos vendiendo algunos objetos personales.

Gracias a estos periodos tan dilatados podremos ajustar al máximo los intereses y crear cuotas verdaderamente cómodas para ti. Para que puedas pagar sin dificultad las devoluciones mes a mes. Recuerda que siempre que solicites un préstamo has de tener presentes tus ingresos durante el tiempo que este dure para saber si eres capaz de devolverlo. Para facilitarte aún más este proceso podemos ofrecerte un periodo de carencia parcial. No pidas nunca un préstamo si tus deudas superan el 40 % de tus ingresos y no crees que puedas hacer frente a todas las cuotas.

Esto terminará por conducirte a una situación financiera verdaderamente complicada. Son muchas las situaciones que pueden conducirnos a la necesidad de contar con dinero de manera inmediata.

Dinero RáPido Y Urgente

“Dinero rápido” es una expresión utilizada como adjetivo de un estilo de trabajo y gestión que nos permite ofrecer micropréstamos o minicréditos para atender necesidades puntuales. Sino más bien de hacer frente a un gasto imprevisto mediante dinero rápido y fácil, en el menor tiempo posible.

A diferencia del resto de préstamos rápidos que hemos estado revisando los préstamos al consumo ofrecen productos o servicios, pero no dinero. De hecho son un recurso bastante frecuente de las grandes superficies comerciales para incentivar las ventas. Por medio de condiciones ventajosas la superficie comercial ofrece préstamos para pagar productos en sus locales comerciales. Por ejemplo electrodomésticos o incluso los libros del colegio. En menos de 10 minutos sabrás si hemos pre-aprobado tu préstamo.

Elige y cultiva los pensamientos correctos si quieres vivir una vida de abundancia. Los derechos privados de etiqueta de los productos proporcionan una forma fácil para casi nadie de hacer dinero rápido.

Y en menos de 72 horas desde la firma de contrato tendrás ingresado el capital en tu cuenta corriente. No pasa nada si estás registrado en Asnef, RAI o cualquier otro fichero de morosidad. Tampoco es importante si no dispones de una nómina estable al uso. Siempre que cuentes con una propiedad para usar como aval podrás acceder a estos préstamos y por tanto al dinero urgente que necesitas para resolver tu problema.

Hasta 10 años para devolver tu préstamo y cuotas mensuales a tu medida. Otra de las principales desventajas de los créditos rápidos es que https://grupobmn.es/prestamos-online/dinero-rapido/ suelen ofrecer pocos años para amortizar el anticipo. En nuestro caso podrás disponer desde un mínimo de 1 año hasta un máximo de 10.

dinero rapido

Puedes solicitar tu dinero desde la comodidad de tu hogar a través de cualquier dispositivo conectado al web. Las entidades bancarias u otras empresas privadas suelen poner impedimentos a la hora de solicitar dinero urgente on-line.

Que podrás conseguir desde un mínimo de 15.000 € hasta un máximo solamente limitado por el valor de tu inmueble. Al igual que en Contante ponemos todos los medios para que nuestros clientes dispongan de dinero fácil y sin papeleos lo antes posible en su cuenta bancaria, también apelamos a la reciprocidad. Los micro préstamos de Contante tienen un plazo corto de devolución, con un máximo de 30 días. Lo que se encuadra en un sistema de préstamos catalogados como dinero express o dinero fácil, tanto en su asignación como en su devolución.

Pay Someone To Write My Paper

Also, we perceive that your grades are crucial to you as you’ve expectations to fulfil. We have helped numerous worldwide and native students achieve their goals. Some of the students who approach us aren’t assured in their skills. With somewhat help and guidance from us, not only do they begin writing better papers, but also get higher grades.

best essay writing service

This makes our service not simply economical, but in addition reasonable, and confidence inducing. We at Life Saver Essays love to assist out with last second, ultra urgent faculty papers, thesis, and dissertations.

Excellent And High Professional Writer

We brainstorm distinctive ideas and use a inventive strategy to writing every student’s paper. Creative writing basically has three major sections which includes introduction, physique and conclusion. Creativity helps to broaden the horizons of scholars, hence we do encourage them to share their concepts and guide them with constructive feedback.

Although there are innumerable services that we offer by way of our online portal, we now have seen many of our clients asking for artistic writing and argumentative essays. We agree that there are probabilities of differences in opinion when these essays are delivered, but our support group is patient enough to take care of the shoppers.

They are proud to inform us that we are one of the BEST essay writing companies. Whether you’re in school or university, our Master’s and faculty essay writing service can join you with writers at all ranges. Each of our new clients gets a 20% low cost to allow them to order with confidence.

best essay writing service

Doing so has turn into very straightforward as you simply need to contact the best tutorial writing services and provide all of the detailed info required for the completion of that particular task. EssayService.com – we’re knowledgeable team of essay writers that gives educational writing companies. In our essay writing service, you can order the service of writing, enhancing, or proofreading. Online essay writing services reviews instructed that College Paper writers delivered quality work generally because there have been plenty of satisfied clients.

If they need a writer to recommend some fresh concepts, then our artistic writers are happy to do it for them. Hence, today many students rely on professional custom writing services in order to buy an essay with best possible solution. Professional writers in our staff have proven their skills on creating impressive inventive writing items for our present purchasers.

Modern students are quite busy having jobs and personal points to take care of, so we completely perceive the need for the skilled help. So, should you determined to hunt help from a dependable service, you’ve come to the best place! In this text, we are going to tell you why it is very important work with a good customized writing service and clarify why cooperation with Pro-Papers is the most suitable choice. We’re a reasonable essay writing services company and we goal to the corporate of choice for students on the lookout for high quality papers personalized to their wants.

In such web sites, you can read the biographies of the author and choose one of the best one as per your budget when you search case research help during your course. Now, the assistance is at hand with varied educational writing companies obtainable on-line in the market. All you need to do before giving this task to any online academic essay writing companies is to check their reliability, popularity, and experience earlier than taking the next step. Some standards you have to check stay their discretion, the phrases and conditions of the service, the phrases related to the confidentiality, the quality of the service given, and so on. You additionally have to verify how you can pay for college papers, or the cost modes similar to paypal, bank switch, or the usage of debit or bank cards.

Even creative writing has to fulfill a specific stage of quality and it also needs to set a benchmark to draw more readers or to get excellent scores and constructive feedbacks. Hence, approaching a service supplier like us will help you in many ways.

They will consider your suggestions and pass it on to the writer to get the absolute best end result. We have some extremely certified writers who will assist you to write best essay writing service for your small business essays and case analyses. We have some papers that you can undergo to understand the level of professionalism that you could come to count on from our writers. Entering the school or university, college students have to find out their studying strategy.

Our paper writing service is particularly well-liked with worldwide college students from China, India, Korea, Malaysia, Singapore, Hong Kong, Qatar, UAE, Iran, Taiwan and other components of the world. We fully perceive that it might be overwhelming so that you can write assignments as you will not be accustomed to writing papers after doing thorough analysis on a topic.

The more types of payments utilized by an internet site, the extra dependable and buyer-friendly a website is for you. In addition to that, one of the best essay writing services online provide anonymous and confidential service and your knowledge stays secure and safe. Further, in many of the instances, there is only one one that knows your identity, and that’s, the one essayusa.com who allots the assignment of the writers. Further, the main points of the task are shared solely with the professional author who could be working on the task. Now, that we’ve eliminated your nervousness about this matter, the following query that’s in your thoughts can be how to decide on one of the best academic writing service available in the market.

In addition to positive College Paper evaluations, one other good sign that the customers will respect is the corporate’s quality, originality, and satisfaction ensures. Aren’t certain that anyone can meet the requirements of your professor? They are nicely-grounded because sometimes the requirements for educational papers are too strict. Our tutorial essay writing service has a big group of writers, each of them has intensive writing experience. They know how to meet and even exceed the expectations of the most demanding academics.

Hello world

Welcome to wiki This is your first post. Edit or delete it, then start blogging!

ULTRASSOM TERAPÊUTICO: Uso clínico em consolidação de fraturas

Apresentação

A aplicação terapêutica do ultrassom foi estudada pela primeira vez em 1924, quando Wood e Loomis descreveram as alterações biológicas relacionadas ao tratamento ultrassônico, porém o primeiro uso do termo ultrassonografia foi verificado em 1958, quando uma equipe liderada por Ian Donald,  utilizou o ultrassom como uma ferramenta diagnóstica na prática da obstetrícia. [1] Atualmente, diversos benefícios são verificados em uma ampla variedade de usos do ultrassom.  Grandes avanços tecnológicos e de engenharia foram observados desde a sua criação e tudo isso permitiu que o ultrassom se tornasse uma modalidade terapêutica. Mais classicamente, o ultra-som terapêutico contínuo tem sido usado para tratar uma variedade de patologias musculoesqueléticas, como osteoartrite, patologia dos tecidos moles e dor miofascial. [2, 3]  Neste Ebook, os principais objetivos serão: 1- elucidar os princípios e teorias físicas que embasam as terapias por ultrassom; 2- compreender as interações entre o ultrassom e o tecido biológico; 3-  apontar as indicações de uso no tratamento de consolidação de fratura; 4- descrever dosimetria básica; 5- atentar para as preocupações de segurança.

Capítulo 1

CIÊNCIA BÁSICA E PLAUSIBILIDADE BIOLÓGICA.

Nesse capítulo você verá:

  • Princípios e teorias físicas do Ultrassom e sua interação com tecido biológico.
  • Plausibilidade biológica do uso do Ultrassom no processo de consolidação de fratura.
  • Efeitos fisiológicos do campo ultrassônico no tecido ósseo.
  • Resultados de pesquisas em modelo in vitro e in vivo animal da consolidação de fraturas facilitada por ultrassom terapêutico.

O termo Ultrassom refere-se a ondas de pressão com uma frequência superior a 20.000 Hz (20KHz), podendo ser classificado de acordo com sua intensidade e frequência. Intensidades inferiores a 5W/cm2 são consideradas como baixa intensidade, enquanto intensidades superiores e 5W/cm2 são considerados de alta intensidade; já a classificação pela frequência se dá caracterizando emissões abaixo de 500KHz como baixa frequência versus emissões acima de 500 KHz com alta frequência. Os dispositivos de ultrassom utilizados na Fisioterapia utilizam frequências 1 a 3 MHz, que variam de acordo com a profundidade a ser atingida, podendo ser emitido no regime contínuo ou pulsátil com taxa de pulso de 1:1 (50% de ciclo de trabalho) ou 1:4 (20% de ciclo de trabalho) com a seleção variando de acordo com a fase inflamatória. [4] [5]

O uso do ultrassom na Fisioterapia musculoesquelética expandiu-se rapidamente nas últimas quatro décadas. No campo da patologia dos tecidos moles, apesar de evidências ainda serem contraditórias, o ultrassom tem sido amplamente adotado para o tratamento da sinovite em distúrbios inflamatórios articulares, tendinopatias agudas e crônicas, rupturas traumáticas musculares e em derrames intra-articulares. No entanto, o ultrassom não é utilizado rotineiramente no tratamento de fraturas, mesmo com robusto nível de evidência favorecendo o seu uso. [6, 7]

As diferenças entre a terapia por ultrassom convencional e a terapia por ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) são quase que exclusivamente em seus parâmetros moduláveis. Talvez o que mais chame a atenção seja a duração do tratamento com LIPUS que costumeiramente chega a 20 minutos em modo estacionário (sem que haja a movimentação do cabeçote). Na terapia de cicatrização óssea, geralmente, indica-se aplicação diária e por períodos mais longos. A terapia por LIPUS é tipicamente caracterizada pela frequência de 1,5 MHz, intensidade espacial média e temporal média (SATA) de 30mW/cm2 (explicado com mais detalhes no capítulo 3) e ciclo de repetição de 20%, existindo um equipamento exclusivamente com esses parâmetros e com preço cerca de 4-6x maior que os equipamentos de ultrassom convencionais. Embora, esses parâmetros tenham sido testados em um volume expressivo de trabalhos in vitro, outros autores defendem que parâmetros possíveis de serem modulados em equipamentos convencionais (logo mais baratos), com frequência de 1MHz, intensidade espacial média e temporal de pico (SATP) de 0.1W/cm2 (explicado com mais detalhes no capítulo 3) e ciclo de repetição de 20% também produzem o mesmo efeito biológico [8].

O uso do ultrassom pulsado de baixa intensidade como auxiliar no manejo da cicatrização de fraturas novas ou em atraso/pseudoartrose ainda é tido por muitos como controverso. Trabalhos mais recentes investigando o mecanismo de ação do ultrassom pulsado de baixa intensidade na cicatrização de fraturas propuseram múltiplos efeitos celulares. Tem sido relatado que o feixe ultrassônico irradiado em tecido ósseo induz a proliferação de células ósseas semelhantes a pré-osteoblastos e a diferenciação de células-tronco mesenquimais para a osteogênese.[9] Outros estudos apontam que a estimulação por ultrassom na osteogênese ocorre por mecanotransdução de osteócitos e osteoblastos [10,11] por vias de sinalização da integrina  e piezo canais de íons [12, 13], levando a um ambiente inflamatório agudo local mais aprimorado e subsequente favorecimento a cicatrização de fraturas [14].

Elucidar as vias de sinalização, pelas quais o ultrassom tem potencial de modulação, é fundamental para o entendimento do mecanismo de ação dessa terapia. Das diversas vias de sinalização existentes, a interferência do campo ultrassônico em algumas dessas vias já foram amplamente estudas e uma breve revisão será feita a seguir.

As integrinas (mecanorreceptores evolucionários) são expressas por vários tipos de células e convertem sinais mecânicos em respostas bioquímicas [15]. Postula-se que as integrinas sejam componentes-chave na transdução do sinal mecânico do ultrassom [16]. Demonstrou-se que a expressão superficial aumentada das integrinas α2, α5, β1 e β3 e o agrupamento das integrinas β1 e β3 são positivamente regulados nos osteoblastos de ratos dentro de 24 horas após o tratamento com ultrassom por 20 minutos [17]. Após a exposição ao ultrassom, a expressão gênica de integrinas α2, α5 e β1 também foram positivamente reguladas de forma significativa em osteoblastos isolados de ossos longos de camundongos. [18]

A Ciclo Oxigenase do tipo 2 (COX-2) enzima responsável pela formação de importantes mediadores inflamatórios incluindo prostaglandinas, prostaciclinas e tromboxanos, tem sua expressão modulada pelo tratamento por ultrassom através de vias de sinalização da FAK e MAPK, ERK1/2, PI3K e AKT quinases em osteoblastos de roedores. Essas vias de sinalização foram antagonizadas quando as células foram tratadas com inibidores das integrinas, e não foi observada uma fosforilação aumentada das proteínas após a exposição ao ultrassom, mostrando que as integrinas servem como um elo importante para a conversão do sinal mecânico em sinalização intracelular. [19]

O óxido nítrico (NO), desempenha um papel importante para a formação óssea em resposta à carga mecânica [20]. Demonstrou-se que a regulação positiva da produção de NO em resposta ao ultrassom está envolvida na regulação da expressão do fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF) em osteoblastos humanos [21,22]. Além disso, já foi estabelecido que esse aumento é regulado pela óxido nítrico sintase II (iNOS). As vias de sinalização envolvidas na regulação da expressão da iNOS em pré-osteoblastos de roedores também já foram  investigadas e verificou-se que o ultrassom induz a expressão de iNOS pela via canônica de NF-kB nessas células.[23]

Células mesenquimais chamadas de pluripotentes possuem a capacidade de gerar células dos folhetos embrionários, ou seja, do ectoderma, mesoderma e endoderma. Alguns experimentos já demostraram que a linhagem de células mesenquimais pluripotentes de roedores pode ser convertida em linhagem osteoblástica ou condroblástica quando são irradiadas por ultrassom, e isso ocorre pela ativação das vias p38 e ERK1/2 e MAPK quinase.[24]

Os condrócitos são células mecanossensíveis que necessitam de estímulos mecânicos para crescimento e função adequados. O ultrassom tem potencial enquanto técnica para fornecer estresse mecânico; portanto, os componentes de sinalização intracelular das vias de mecanotransdução que transmitem o estímulo mecânico extracelular aos mecanismos reguladores de genes intracelulares são fundamentais para melhor entendimento do seu mecanismo de ação. Já foi investigado e percebeu-se que o ultrassom causa uma fosforilação mais intensa da FAK, Src, p130Cas, CrkII e ERK1/2 em culturas primárias de condrócitos humanos, sugerindo que essa via está envolvida no mecanismo de mecanotransdução induzido pelo Ultrassom [25]. Além disso o aumento da taxa de proliferação de condrócitos articulares de suínos em resposta ao Ultrassom já foi verificado e foi associado à via Integrina/PI3K/AKT.[26]

Alguns estudos avaliaram o efeito do ultrassom logo após a fratura óssea em modelo animal. Foi verificado importante influência da estimulação ultrassônica na proliferação de fibroblastos dentro de 24 horas após a exposição [27,28,29]. Outros estudos perceberam que a formação do hematoma no traço de fratura é acompanhada pela liberação de fatores quimiotáticos, recrutando células inflamatórias, células quiescentes e outros progenitores [30].  É interessante perceber que o uso do ultrassom sobre o traço da fratura tem potencial de recrutamento de osteoprogenitores locais e precursores osteogênicos da circulação sistêmica para o local da fratura já verificados em modelo animal com camundongos.[31]

Outro processo comumente estudado em pesquisas envolvendo ultrassom e cicatrização de fratura é o seu potencial de influenciar no processo de angiogênese. O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) é um participante crítico na angiogênese, sendo uma proteína de sinalização produzida pelas células que estimula a formação de vasos sanguíneos, regulando a mitogênese e o recrutamento de células endoteliais [32]. O aumento de produção de VEGF em osteoblastos mandibulares humanos, monócitos de tecido sanguíneo humano [28] e osteoblastos humanos  [22] também já foram reportados em resposta ao ultrassom.

Além do VEGF, a Interleucina 8 (IL-8) e o fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) exercem um importante papel na formação de novos vasos sanguíneos a partir da vasculatura pré existente. A IL-8 é uma citocina conhecida por induzir a proliferação e migração de células endoteliais e o PDGF é um conhecido fator mitogênico para células tronco mesenquimais e osteoblastos. Foi demonstrado que o ultrassom regula positivamente a secreção de IL-8 em osteoblastos de mandíbula de humanos [28] e a expressão do gene IL-8 em pré-osteoblastos de roedores. [33] Assim como, em culturas de osteoblastos e células endoteliais humanas, verifica-se níveis mais altos de secreção do PDGF após exposição ao ultrassom. [34, 35]

O hormônio Fator de Crescimento semelhante a Insulina do tipo 1 (IGF-1) tem fundamental importância no processo chamado Osteogênese, por estimular o crescimento de células ósseas e promover a regeneração. O IGF-1 medeia a expressão do osterix (Osx), um fator de transcrição envolvido na diferenciação de pré-osteoblastos em osteoblastos maduros [36, 37]. Achados interessantes apontam que o mRNA do fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF-1) é regulado positivamente pelo ultrassom tanto na linha celular derivada da medula óssea quanto em osteoblastos de roedores [38]. Provavelmente como consequência disso também percebe-se expressão positiva de Osx, em uma linha celular derivada de osteossarcoma de rato, que expressou um fenótipo osteoblástico, após exposição ao Ultrassom. [39]

A família de fatores de transcrição da proteína ativadora 1 (AP-1) demonstrou estar envolvida em uma ampla variedade de processos celulares, incluindo proliferação celular, expressão de genes celulares e virais, morte celular, sobrevivência, diferenciação e osteogênese. Esse complexo fator transcricional AP-1 é formado a partir da combinação das proteínas c-jun e c-fos [40].  A regulação inicial precoce dessas proteínas, bem como outros marcadores osteogênicos importantes como: osteonectina (ON), osteopontina (OPN), sialoproteína óssea (BSP), fosfatase alcalina (ALP), proteína morfogenética óssea 2 (BMP- 2), foram demonstradas em células com fenótipo osteoblástico após a exposição ao ultrassom. [38, 41, 42, 43]

Outro efeito interessante do ultrassom se dá na expressão dos genes Dlx5 e Msx2. Sabe-se que a proteína homeodomínio Dlx5 é um ativador do Runx2 (um importante regulador da osteogênese) e acredita-se ser um importante regulador da formação óssea sendo importante para a diferenciação e maturação dos osteoblastos [45], enquanto o Msx2  é um fator de transcrição de homeodomínio identificado pela primeira vez em ossos craniofaciais e osteoblastos femorais humanos, exercendo anabolismo ósseo e promovendo diferenciação osteogênica dos progenitores esqueléticos, sendo expresso durante a proliferação de osteoblastos [46]. A expressão gênica aumentada de Dlx5 e Msx2 foi observada nas primeiras 2 semanas de tratamento com Ultrassom em células semelhantes a osteoblastos de ratos [39].

Durante o reparo ósseo, as células tronco mesenquimais em proliferação começam a se diferenciar em condrócitos e a ossificação endocondral começa a acontecer de forma mais expressiva. Foi verificado que o ultrassom de baixa intensidade emitido em modo contínuo promoveu expressão melhorada dos marcadores condrogênicos Col-2, aggrecan (proteoglicano) e Sox-9 (um gene que codifica um fator de transcrição proeminente para diferenciação de condrócitos) nas semanas 1 e 2 em células tronco de coelho[46]. Em ensaios in vitro com células tronco, percebeu-se que quando as mesmas eram estimuladas com ultrassom por 40 min/dia durante 1 semana, apresentaram como resultado um fenótipo condrogênico mais pronunciado, expressando marcadores condrogênicos (agrecan, Col-1, Col-2 e Col-10) de forma mais acentuada [47]. Também se sabe que ultrassom impacta na diferenciação de condrócitos primários de rato e porco nas primeiras 2 semanas de tratamento e essas maiores expressões são reguladas por TGF-β, TGF-βR1, PG, Col-2 e Col-9 [48, 49, 50]. E além disso, alguns estudos postularam que aumento dos proteoglicanos nos condrócitos de ratos tratados por ultrassom e que esse mecanismo acontecia governado pelo aumento da concentração intracelular de Ca2+. [51]

A aplicação do ultrassom no tratamento ósseo demonstrou ser eficaz em todos os estágios da cicatrização das fraturas: modulando a inflamação, potencializando vascularização, ativando mecanismos de condrogênese e ossificação. Vários efeitos explicam essa eficácia, como o aprimoramento dos osteoblastos, promoção de calcificação da matriz, angiogênese e formação de calos através da estimulação da expressão e entrega de citocinas; também como a estimulação do recrutamento, diferenciação e maturação de células-tronco mesenquimais com migração para os locais de fratura, e fatores de crescimento relacionados à angiogênese,  e por fim promoção da ossificação endocondral, possivelmente através de forças mecânicas semelhantes à carga física doadas pelo ultrassom.

Embora os estudos in vitro não sejam apropriados para identificar toda a complexidade dos efeitos biológicos e clínicos, eles são interessantes para estudar mecanismos específicos de ação e suas respectivas vias de sinalização. Todo esse entendimento do potencial do ultrassom em interferir de forma positiva nos mecanismos envolvidos no processo de consolidação de fratura garante uma boa plausibilidade biológica que justifica a geração de hipóteses clínicas para seu uso. No próximo capítulo os ensaios clínicos conduzidos em humanos serão revistos direcionando assim a prática clínica. No entanto, é preciso ter muito cuidado com os parâmetros do Ultrassom configurados nos experimentos in vitro ou em modelo animal, de forma que exige-se muita cautela na hora de transpor essas configurações para ensaios em humanos. Em seguida, deve ser possível derivar uma “dose acústica” necessária para respostas específicas e transferir essas descobertas in vitro para aplicações in vivo em diferentes profundidades, logo com dosimetrias personalizadas.

Efeitos biológicos causados pelo Ultrassom
Osteoblastos expressão integrinas α2, α5, β1 e β3. mecanotransdução.
fosforilação FAK, MAPK, ERK1/2 e AKT.Modulação da COX-2.
ativa via canônica NFkβ e  iNOS.NO; VEGF; angiogênese.
  expressão Dlx5 e Msx2.diferenciação e maturação; diferenciação osteogênica.
  c-jun, c-fos, AP-1. proliferação celular; expressão genética; diferenciação; osteogênese.
  expressão do gene da IL-8. proliferação e migração de células epiteliais; angiogênese.
Células Tronco MesenquimaisAtivação das vias p38, MAPK e ERK1/2. linhagem osteoblástica; linhagem condroblástica.
expressão Col-1, Col-2, Col-10, agrecan e SOX9.  aumento de diferenciação condrócitos; ossificação endocondral.
  Ca2+ intracelular.  proteoglicanas.
Condrócitos  Fosforilação FAK, Src, pl30Cas. CrkII, ERK1/2.  da linhagem osteoblástica; da linhagem condroblástica.
Ativação da via Integrina/Pl3K/AKT. mecanotransdução; proliferação de condrócitos.

Referências:

1- Newman PG, Rozycki GS. The history of ultrasound. Surg. Clin. North Am. 1998 Apr;78(2):179-95.

2- Robertson VJ, Baker KG. A review of therapeutic ultrasound: effectiveness studies. Phys Ther. 2001 Jul;81(7):1339-50.

3- Analan PD, Leblebici B, Adam M. Effects of therapeutic ultrasound and exercise on pain, function, and isokinetic shoulder rotator strength of patients with rotator cuff disease. J Phys Ther Sci. 2015 Oct;27(10):3113-7.

            4- Bejarano F, Feeney A, Wallace R, Simpson H, Lucas M. An ultrasonic orthopaedic surgical device based on a cymbal transducer. Ultrasonics. 2016;72:24-33.

5- Hennet P. Piezoelectric bone surgery: a review of the literature and potential 
applications in veterinary oromaxillofacial surgery. Front Vet Sci. 2015;2:8.

6- Lento PH, Primack S. Advances and utility of diagnostic ultrasound in musculoskeletal medicine. Curr Rev Musculoskelet Med 2008;1:24-31.

7- Patil P, Dasgupta B. Role of diagnostic ultrasound in the assessment of 
musculoskeletal diseases. Ther Adv Musculoskelet Dis. 2012;4:341-355.

            8- Warden SJ, Fuchs RK, Kessler CK, Avin KG, Cardinal RE, Stewart RL. Ultrasound produced by a conventional therapeutic ultrasound unit accelerates fracture repair. Phys Ther. 2006 Aug;86(8):1118-27.

9- Kusuyama J, Bandow K, Shamoto M, et al. Low intensity pulsed ultrasound (LIPUS) influences the multilineage differentiation of mesenchymal stem and progenitor cell lines through ROCK-Cot/Tpl2-MEK-ERK signaling pathway. J Biol 
Chem 2014;289:10330-10344.

10- Bayat M, Virdi A, Rezaei F, Chien S. Comparison of the in vitro effects of low-level  laser therapy and low-intensity pulsed ultrasound therapy on bony cells and stem  cells. Prog Biophys Mol Biol 2018;133:36-48.

11- Fung CH, Cheung WH, Pounder NM, Harrison A, Leung KS. Osteocytes exposed  to far field of therapeutic ultrasound promotes osteogenic cellular activities in pre- osteoblasts through soluble factors. Ultrasonics 2014; 54: 1358-1365.

12- Tang CH, Lu DY, Tan TW, Fu WM, Yang RS. Ultrasound induces hypoxia-inducible factor-1 activation and inducible nitric-oxide synthase expression through the integrin/integrin-linked kinase/Akt/mammalian target of rapamycin pathway in osteoblasts. J Biol Chem 2007;282:25406-25415.

13- Gao Q, Cooper PR, Walmsley AD, Scheven BA. Role of Piezo channels in ultrasound-stimulated dental stem cells. J Endod 2017;43:1130-1136.

14- Li L, Yang Z, Zhang H, et al. Low-intensity pulsed ultrasound regulates proliferation and differentiation of osteoblasts through osteocytes. Biochem Biophys Res Commun 2012;418:296-300.

15- Ingber D. Integrins as mechanochemical transduc- ers. Curr Opin Cell Biol 1991;3:841–848.

16- Pounder NM, Harrison AJ. Low intensity pulsed ultrasound for fracture healing: a review of the clinical evidence and the associated biological mechanism of action. Ultrasonics 2008;48:330–338.

17- Tang CH, Yang RS, Huang TH, Lu DY, Chuang WJ, Huang TF, Fu WM. Ultrasound stimulates cyclooxygenase-2 expression and increases bone for- mation through integrin, focal adhesion kinase, phos- phatidylinositol 3-kinase, and Akt pathway in osteoblasts. Mol Pharmacol 2006;69:2047–2057.

18- Watabe H, Furuhama T, Tani-Ishii N, Mikuni-Takagaki Y. Mechanotransduction activates α5β1 integrin and PI3K/Akt signaling pathways in mandibular osteoblasts. Exp Cell Res 2011;317:2642–2649.

19- Tang CH, Yang RS, Huang TH, Lu DY, Chuang WJ, Huang TF, Fu WM. Ultrasound stimulates cyclooxygenase-2 expression and increases bone formation through integrin, focal adhesion kinase, phos-phatidylinositol 3-kinase, and Akt pathway in osteoblasts. Mol Pharmacol. 2006;69:2047–2057.

20- Fox SW, Chambers TJ, Chow JW. Nitric oxide is an early mediator of the increase in bone forma- tion by mechanical stimulation. Am J Physiol. 1996;270: E955–E960.

21- Reher P, Harris M, Whiteman M, Hai HK, Meghji S. Ultrasound stimulates nitric oxide and prosta-glandin E2 production by human osteoblasts. Bone. 2002; 31:236–241.

22- Wang FS, Kuo YR, Wang CJ, Yang KD, Chang PR, Huang YT, Huang HC, Syn YC, Yang YJ, Chen YJ. Nitric oxide mediates ultrasound-induced hypoxia-inducible factor-1alpha activation and vascu- lar endothelial growth factor-A expression in human osteoblasts. Bone. 2004;35:114–123.

23- Hou CH, Lin J, Huang SC, Hou SM, Tang CH. Ultrasound stimulates NF-kappaB activation and iNOS expression via the Ras/Raf/MEK/ERK signal- ing pathway in cultured preosteoblasts. J Cell Physiol 2009;220:196–203.

24- Ikeda K, Takayama T, Suzuki N, Shimada K, Otsuka K, Ito K. Effects of low-intensity pulsed ultra- sound on the differentiation of C2C12 cells. Life Sci. 2006; 79:1936–1943.

25- Whitney NP, Lamb AC, Louw TM, Subramanian A. Integrin-mediated mechanotransduction path- way of low-intensity continuous ultrasound in human chondrocytes. Ultrasound Med Biol 2012;38:1734–1743.

26- Takeuchi R, Ryo A, Komitsu N, Mikuni-Takagaki Y, Fukui A, Shiraishi T, Morishita S, Yamazaki Y, Kumagai K, Aoki I, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound activates the phosphatidylinositol 3 kinase/Akt pathway and stimulates the growth of chondrocytes in three-dimensional cultures: a basic science study. Arthritis Res Ther. 2008; 10:R77.

27- Zhou S, Schmelz A, Seufferlein T, Li Y, Zhao J, Bachem MG Molecular mechanisms of low intensity pulsed ultrasound in human skin fibroblasts. J Biol Chem. 2004; 279:54463–54469.

28- Doan N, Reher P, Meghji S, Harris M. In vitro effects of therapeutic ultrasound on cell proliferation, protein synthesis, and cytokine production by human fibroblasts, osteoblasts, and monocytes. J Oral Maxillofac Surg. 1999;57 :409–419.

29- Reher P, Doan N, Bradnock B, Meghji S, Harris M. Therapeutic ultrasound for osteoradionecrosis: an in vitro comparison between 1 MHz and 45 kHz machines. Eur J Cancer 1998;34:1962–1968.

30- Oryan A, Monazzah S, Bigham-Sadegh A. Bone injury and fracture healing biology. Biomed Environ Sci. 2015 Jan;28(1):57-71.

31- Kumagai K, Takeuchi R, Ishikawa H, Yamaguchi Y, Fujisawa T, Kuniya T, Takagawa S, Muschler GF, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound accel- erates fracture healing by stimulation of recruitment of both local and circulating osteogenic progenitors. J Orthop Res 2012;30:1516–1521.

32- Ferrara N, Gerber HP, LeCouter J. The biology of VEGF and its receptors. Nat Med. 2003;9:669–676.

33- Bandow K, Nishikawa Y, Ohnishi T, Kakimoto K, Soejima K, Iwabuchi S, Kuroe K, Matsuguchi T. Low-intensity pulsed ultrasound (LIPUS) induces RANKL, MCP-1, and MIP-1beta expression in osteoblasts through the angiotensin II type 1 recep- tor. J Cell Physiol. 2007;211:392–398.

34- Ito M, Azuma Y, Ohta T, Komoriya K. Effects of ultrasound and 1,25-dihydroxyvitamin D3 on growth factor secretion in co-cultures of osteoblasts and endo- thelial cells. Ultrasound Med Biol 2000;26:161–166.

35- Kilian O, Flesch I, Wenisch S, Taborski B, Jork A, Schnettler R, Jonuleit T. Effects of platelet growth factors on human mesenchymal stem cells and human endothelial cells in vitro. Eur J Med Res. 2004;9:337–344.

36- Celil AB, Campbell PG. BMP-2 and insulin-like growth factor-I mediate Osterix (Osx) expression in human mesenchymal stem cells via the MAPK and protein kinase D signaling pathways. J Biol Chem  2005;280:31353–31359.

37- Nakashima K, Zhou X, Kunkel G, Zhang Z, Deng JM, Behringer RR, de Crombrugghe B (2002) The novel zinc finger-containing transcription factor osterix is required for osteoblast differentiation and bone formation. Cell. 2002 108:17–29.

38- Naruse K, Miyauchi A, Itoman M, Mikuni-Takagaki Y. Distinct anabolic response of osteoblast to low- intensity pulsed ultrasound. J Bone Miner Res. 2003;18:360–369.

39- Suzuki A, Takayama T, Suzuki N, Sato M, Fukuda T, Ito K. Daily low-intensity pulsed ultrasound- mediated osteogenic differentiation in rat osteoblasts. Acta Biochim Biophys Sin. 2009;41:108–115.

40- Chiu R1, Boyle WJ, Meek J, Smeal T, Hunter T, Karin M. The c-Fos protein interacts with c-Jun/AP-1 to stimulate transcription of AP-1 responsive genes. Cell. 1988 Aug 12;54(4):541-52.

41- Gleizal A, Li S, Pialat JB, Beziat JL. Transcriptional expression of calvarial bone after treatment with low- intensity ultrasound: an in vitro study. Ultrasound Med Biol 2006;32:1569–1574.

42- Yang RS, Lin WL, Chen YZ, Tang CH, Huang TH, Lu BY, Fu WM. Regulation by ultrasound treatment on the integrin expression and differentia- tion of osteoblasts. Bone. 2005;36:276–283.

43- Maddi A, Hai H, Ong ST, Sharp L, Harris M, Meghji S. Long wave ultrasound may enhance bone regeneration by altering OPG/RANKL ratio in human osteoblast-like cells. Bone. 2006;39:283–288.

44- Samee N, Geoffroy V,  Marty C, Schiltz C, Vieux-Rochas M, Levi G,  Vernejoul M. Dlx5, a Positive Regulator of Osteoblastogenesis, is Essential for Osteoblast-Osteoclast Coupling. Am J Pathol. 2008 Sep; 173(3): 773–780.

45- Cheng S, Shao J, Cai J,  Sierra O, Towler D. Msx2 Exerts Bone Anabolism via Canonical Wnt Signaling. J Biol Chem. 2008 Jul 18; 283(29): 20505–20522.

46- Lee HJ, Choi BH, Min BH, Son YS, Park SR. Low- intensity ultrasound stimulation enhances chondrogenic differentiation in alginate culture of mesenchymal stem cells. Artificial organs. 2006;30(9):707–715.

47- Schumann D, Kujat R, Zellner J, Angele MK, Nerlich M, Mayr E, Angele P. Treatment of human mesen- chymal stem cells with pulsed low intensity ultrasound enhances the chondrogenic phenotype in vitro. Biorheology. 2006; 43:431–443.

48- Mukai S, Ito H, Nakagawa Y, Akiyama H, Miyamoto M, Nakamura T (2005) Transforming growth factor-beta1 mediates the effects of low-intensity pulsed ultra- sound in chondrocytes. Ultrasound Med Biol. 2005;31:1713–1721.

49- Takeuchi R, Ryo A, Komitsu N, Mikuni-Takagaki Y, Fukui A, Shiraishi T, Morishita S, Yamazaki Y, Kumagai K, Aoki I, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound activates the phosphatidylinositol 3 kinase/Akt pathway and stimulates the growth of chondrocytes in three-dimensional cultures: a basic science study. Arthritis Res Ther. 2008;10:R77.

50- Kobayashi Y, Sakai D, Iwashina S, Iwabuchi S, Mochida J. Low-intensity pulsed ultrasound stimulates cell proliferation, proteoglycan synthesis and expres- sion of growth factor-related genes in human nucleus pulposus cell line. Eur Cell Mater 2009;17:15–22.

51- Parvizi J, Parpura V, Greenleaf JF, Bolander ME. Calcium signaling is required for ultrasound stimulated aggrecan synthesis by rat chondrocytes. J Orthop Res. 2002;20:51–57.


Capítulo 2

APLICABILIDADE CLÍNICA

Nesse capítulo você verá:

  • Revisão de ensaios clínicos em humanos.
  • Revisões sistemáticas com meta análises.
  • Posicionamento do Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) do Reino Unido.

            Com o objetivo de comparar os efeitos do ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) com os campos eletromagnéticos pulsados ​​(PEMF) na cicatrização de fraturas foi realizada uma revisão sistemática de trabalhos originais do tipo ensaios clínicos, publicados na Journal of Athletic Training [1]. Após a aplicação dos filtros de busca, 17 artigos foram avaliados independentemente por 2 revisores. Os artigos foram excluídos se não obedecessem os seguintes critérios: 1- alocação aleatória de tratamentos, 2- inclusão de pacientes esqueleticamente maduros de ambos os sexos com uma fratura atual, 3- cegamento do paciente e dos avaliadores quanto ao grupo de tratamento, 4- administração de LIPUS ou PEMF para um dos grupos de tratamento, 5- avaliação do tempo até a cicatrização de fraturas ou proporção de fraturas curadas, conforme determinado radiograficamente, clinicamente ou ambos. Com isso, oito ensaios preencheram os critérios de inclusão. A qualidade metodológica de todos os ensaios foi avaliada usando os critérios PEDro.

Como resultado percebeu-se que a heterogeneidade entre os estudos impediu a comparação direta da eficácia do LIPUS com a do PEMF. Porém verificou-se que os estudos incluídos eram geralmente de alta qualidade metodológica, sugerindo que o LIPUS pode acelerar a cicatrização de fraturas.  Atualmente, a eficácia desse tratamento é melhor apoiada pelos ensaios clínicos randomizados e controlados de fraturas agudas da tíbia. Sendo necessário, portanto, ensaios clínicos controlados para avaliar o manejo de fraturas agudas em outras peças ósseas.

Um estudo randomizado, multicêntrico, duplo-cego placebo controlado, publicado na BMC Musculoskeletal Disorders, avaliou o potencial do ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) em influenciar positivamente a cicatrização fraturas de união tardia; o estudo foi realizado em fraturas do eixo da tíbia [2]. O status de “fratura de união tardia” foi definido em termos de idade da fratura sem consolidação maior que 4 meses. O estudo incluiu 101 pacientes que foram randomizados e duplo-cegos para o grupo LIPUS e um grupo placebo (ultrassom modificado que não emitia o feixe). A idade dos participantes variou de 14 a 70 anos; Todos os pacientes de ambos os grupos usaram o ultrassom ou o ultrassom placebo no grupo controle por 20 minutos por dia, durante um período de 16 semanas.

            A área do gap de fratura e a densidade óssea foram examinadas por tomografia computadorizada (TC). A TC foi realizada antes do início do estudo e após 16 semanas. Além disso, foram realizadas radiografias adicionais após um mês, dois e três meses. As características demográficas dos pacientes (idade, sexo, precauções cirúrgicas e tabagismo) foram amplamente comparáveis ​​nos grupos de intervenção e controle; somente os participantes do grupo controle apresentaram um índice médio de massa corporal mais alto.[2]

            O grupo que realizou ultrassom mostrou uma melhora significativa na densidade óssea comparado ao grupo placebo. Outra vantagem estatisticamente significativa do grupo que realizou ultrassom foi a redução na área do gap de fratura. Clinicamente, após as 16 semanas de tratamento, uma consolidação sólida foi encontrada em 65% dos pacientes que realizaram ultrassom, em comparação com 46% do grupo controle. Concluiu-se, portanto, que o LIPUS melhorou significativamente o processo de cicatrização em pacientes com fraturas de união tardia, motivo pelo qual é recomendado o uso de LIPUS para essa condicação.[2]

Uma interessante revisão sistemática com meta-análise, publicada na Injury, avaliando o LIPUS em pseudoartrose [3]; 13 estudos foram utilizados e um total de 1441 pseudoartroses foram incluídos no estudo. As seguintes conclusões foram extraídas dos dados: A pseudoartrose hipertrófica mostrou uma melhor tendência para cicatrizar com o LIPUS do que a pseudoartrose atrófica biologicamente inativa.[3]

No estudo, um intervalo sem cirurgia de 3 a 6 meses antes do LIPUS foi associado a uma melhor cicatrização. Não houve diferença significativa entre a pseudoartrose dos ossos longos das extremidades superior e inferior. Em conclusão, o LIPUS é recomendado como uma alternativa às medidas cirúrgicas para intervenção em pseudoatroses.[3]

Como sabido, as fraturas escafóides são um grande desafio dentro da pr[atica clínica traumatológica, pois progridem para pseudoatrose em até 15% da vezes quando não deslocadas, e tem pior prognóstico ainda quando a fratura é deslocada. O tratamento padrão nesses casos é cirurgico; no entanto, muitos indivíduos não conseguem se submeter a essa opção, ou ainda, muitos desejam tentar medidas conservadoras.

Como já foi apresentado o LIPUS se mostra favorável para um bom desfecho nesses pacientes, com isso, um estudo publicado na Revista Hand teve como objetivo realizar uma meta-análise abrangente da literatura relevante para determinar o sucesso do uso de LIPUS no tratamento de pseudoartroses de escafoide. Avaliou-se um total de 686 estudos que atenderam aos critérios de pesquisa inicial. Foram excluídos estudos que relataram: 1- menos de 5 casos, 2- aqueles não publicados em inglês, 3- aqueles não relacionados ao tratamento não-cirúrgico do escafoide com LIPUS e 4- aqueles sem dados suficientes. Com isso, cinco estudos preencheram os critérios e a análise estatística foi realizada para determinar as taxas gerais de união.[4]

Foi verificado que o uso de LIPUS em 166 pseudoartroses atingiu um índice de cicatrização de 78,6%. O tempo médio de união após o tratamento foi de 4 meses. Com esses resultados encorajadores, sobre fraturas desafiadoras e pseudoatroses solucionadas sem intervenção cirúrgica na maioria dos pacientes o estudo concluiu que o LIPUS pode servir como uma alternativa não cirúrgica ao tratamento de pseudoartrose de escafoide.[4]

O estudo com recomendação clínica mais recente foi realizado em 2019 (disponível on-line: www. Nice.org.uk) como parte de um processo de revisão do National Institute for Health and Care Excellence (Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) do Reino Unido). O argumento para a adoção do sistema de cicatrização óssea por ultrassom de baixa intensidade para tratar fraturas de ossos longos com atraso de cicatrização (falha após 9 meses) é apoiado pela literatura, que mostra altas taxas de cicatrização de fraturas. Também é defendido que tratamento de pseudo artroses está associado a uma economia de custos estimada de £2.407 por paciente em comparação com o manejo atual (aproximadamente R$15.750, pela cotação atual), evitando a cirurgia na maioria dos casos. [6]

Além disso existem evidências radiológicas de melhora na cicatrização quando o uso do ultrassom é usado para fraturas ósseas longas com cicatrização atrasada (falha de evidência radiológica de cicatrização após 3 meses), apresentando alta taxa de resolução da fratura sem necessidade de cirurgia. Com essa diminuição dos procedimentos secundários (cirurgias), consequentemente redução dos riscos de complicações clínicas e também da redução dos custos financeiros estabelece-se o uso do ultrassom como modalidade indicada para o tratamento de fraturas.[6]

Além da acreditação da NICE sistemas de cicatrização ósseo por ultrassom também possuem aprovação pelo Food and Drug Administration (FDA) nos Estados Unidos desde 2006. FDA é uma agência federal do departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, responsável por aprovar o uso de dispositivos eletrônicos na área da saúde em solo americano. Segundo a recomendação, o aparelho de ultrassom pulsado de baixa intensidade demonstrou-se em estudos in vitro e in vivo que é capaz de promover estímulos as células a produzir fatores de crescimento e proteínas importantes para a cicatrização óssea. A recomendação de administração do tratamento, uma vez ao dia, por 20 minutos, ou conforme prescrição.[7]

AplicaçãoIndicaçõesParâmetrosResultados
FraturasFraturas frescasFreq.: 1.5MHz Intensidade (SATA): 30mW/cm2. Ciclo de trabalho: 20% Tempo: 20 minutos ou Freq.: 1 MHz Intensidade (SATP): 0.1-0.2W/cm2. Ciclo de trabalho: 20% Tempo: 20 minutos tempo de cicatrização
Fraturas com atraso taxa de cicatrização nas fratura com atraso
taxa de cicatrização nas pseudoartroses
Pseudoartroses necessidade de cirurgias

Figura 1. Quadro com indicações, parâmetros e resultados do Ultrassom em fraturas.

Referências:

1- Walker N, Denegar C, Preische J. Low-Intensity Pulsed Ultrasound and Pulsed Electromagnetic Field in the Treatment of Tibial Fractures: A Systematic Review. J Athl Train. 2007 Oct-Dec; 42(4): 530–535.

2- Schofer M, Block J, Aigner J et al. Improved healing response in delayed unions of the tibia with low-intensity pulsed ultrasound: results of a randomized sham-controlled trial. BMC Musculoskelet Disord. 2010 11:229.

            3- Leighton R, Watson T, Giannoudis P et al. Healing of fracture nonunions treated with low- intensity pulsed ultrasound (LIPUS): A systematic review and meta analysis. Injury 2017;48:1339–1347.

4- Seger EW, Jauregui JJ, Horton SA, Davalos G, Kuehn E, Stracher MA. Low-Intensity Pulsed Ultrasound for Nonoperative Treatment of Scaphoid Nonunions: A Meta-Analysis [published online ahead of print, 2017 Apr 1]. Hand (N Y). 2017;13(3):275-280.

5- Warden SJ, Fuchs RK, Kessler CK, Avin KG, Cardinal RE, Stewart RL. Ultrasound produced by a conventional therapeutic ultrasound unit accelerates fracture repair. Phys Ther. 2006 Aug;86(8):1118-27.

6- EXOGEN ultrasound bone healing system for long bone fractures with non-union or delayed healing. Disponível em: https://www.nice.org.uk/guidance/mtg12/chapter/1-Recommendations. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

7- EXOGEN® Ultrasound Bone Healing System 71034400. Disponível em: https://fda.report/GUDID/M937710344001. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

Capítulo 3

DOSIMETRIA APLICADA AO TRATAMENTO DE FRATURAS

Nesse capítulo você verá:

  • Revisão de conceitos físicos que impactam na dosimetria do ultrassom
  • Prescrição dos parâmetros do ultrassom para consolidação de fraturas
  • Programação do equipamento convencional de ultrassom para o tratamento de fraturas.

O Ultrassom é uma energia acústica, emitida em alta frequência, acima da frequência do som audível, o que justifica o seu nome. O som audível pelos seres humanos é emitido numa banda de frequência que varia de 16 – 20000Hz, toda energia acústica emitida em frequências menores que 16Hz recebe o nome de infrassom e toda energia acústica emitida cima de 20000Hz recebe o nome de ultrassom. Alguns animais são capazes de captar infrassons (Elefantes e gatos) e ultrassons (morcegos e golfinhos). (Figura 1)

Figura 1. Infrassom, som e ultrassom com suas respectivas bandas de frequência.

Como sabido o transdutor do ultrassom (também referenciado no Brasil como cabeçote do ultrassom) é composto por um cristal de cerâmicas sintéticas, usualmente de Zircontato Titanato de Chumbo (PZT) de aproximadamente 2-3mm de espessura e com área variando entre 3-10cm2. A área do cristal que garantirá área de radiação efetiva (ERA) do ultrassom. Em condições ideais, a área do cristal deveria coincidir com a área do transdutor, porém regra geral, a área do transdutor é maior que a área do cristal. Esse cristal cerâmico tem a competência de converter a energia elétrica a ele destinada, em oscilações mecânicas geradas por perturbações em suas dimensões. A garantia esse fenômeno se dá por um efeito chamado piezoelétrico invertido, pois a medida que a corrente elétrica alternada passa pelo cristal, produz compressão e expansão da cerâmica. Essas mudanças na polaridade da corrente elétrica que leva as oscilações em alta frequência que caracterizam a onda ultrassônica propriamente dita, desse modo o efeito piezoelétrico invertido que cria o ultrassom na frequência desejada. (Figura 2)

Figura 2. Anatomia do transdutor de ultrassom e processo de geração ultrassônica pelo efeito piezoelétrico invertido do cristal.

            Um erro comum dentro da prática clínica é considerar que intensidades mais altas promovam aquecimento profundo e que intensidades mais baixas promovam aquecimentos superficiais. Entretanto, a profundidade atingida pelo campo ultrassônico é determinada pela sua frequência de emissão. Em frequências de 1MHz a energia é menos absorvida e mais transmitida, fazendo com o que essa energia atinja distâncias mais profundas, já em frequências de 3MHz a energia passa a ser mais absorvida e menos transmitida, com isso rapidamente os tecidos superficiais absorvem essa energia impedindo que o campo ultrassônico se aprofunde. Com isso, por possuir maior taxa de absorção o ultrassom emitido em 3MHz promove um pico de calor mais rápido e 3x maior quando comparado ao ultrassom emitido em 1MHz, porém de forma superficial.

            O campo ultrassônico pode ser gerado em dois modos, com emissão contínua ou pulsada dos feixes. No modo contínuo, os pulsos ultrassônicos são emitidos de forma interrupta o que caracteriza ciclo de trabalho em 100% do tempo, já no modo pulsado existem intervalos entre os pulsos podendo  caracterizar diversos ciclos de trabalho, como 10%, 20%, 25%, 33% e 50%, sendo mais comuns no Brasil equipamentos com 20% e 50%. Ao se escolher o modo pulsado com ciclo de trabalho (DC) de 50%, o fisioterapeuta assume uma taxa de pulso de 1:1, ou seja 1 pulso ligado para 1 desligado.  E ao se escolher o modo pulsado  com DC de 20%, o terapeuta assume  uma taxa de pulso de 1:4, ou seja 1 pulso ligado para 4 desligados. Por regra geral, a indicação desses parâmetros baseia-se no estágio inflamatório da condição a ser tratada, por exemplo, indica-se o modo contínuo para inflamações crônicas ou na fase de remodelagem, indica-se o modo pulsado 50% em inflamações na fase de reparo fibroblástico, e indica-se o modo pulsado 20% em fase inicial do processo inflamatório. (Figura 3)

Figura 3. Modos de operação do ultrassom. Observa-se graficamente os modos contínuo DC100%, pulsado DC50% com taxa de pulso de 1:1 e pulsado DC 20% com taxa de pulso de 1:4.

            Os feixes de ultrassom não se comportam de forma homogênea ao longo do seu eixo longitudinal no domínio do espaço, alguns pontos possuem maior intensidade do que outros em relação a intensidade espacial média (programada no equipamento). Essa taxa variação da intensidade do feixe é chamada de Beam Non-uniformity Ratio (BNR) e ela determina a qualidade do feixe ultrassônico. Em condições teóricas ideais a BNR deveria ser de 1:1, ou seja, a intensidade programada no equipamento deveria ser a mesma a ser entregue, sem variações. Porém na prática o que se observa são diversos valores de BNR nos equipamentos comerciais. Por exemplo, costumeiramente costuma-se ver equipamentos com BNR 8:1, isso significa que pode acontecer uma variação de pico espacial de intensidade de até 8x o valor da intensidade espacial média desejada. Os picos espaciais de intensidades relacionados a alta BNR são responsáveis por grande parte do desconforto ou dor periosteal associados ao tratamento com ultrassom. Logo, os melhores feixes de ultrassom são gerados em equipamentos que possuam valores de BNR baixos, predizendo assim mais homogeneidade no feixe. (Figura 4)

Figura 4. Beam Non-Uniformity Ratio. Representação gráfica da BNR alta (8:1) com pico espacial variando em até 8x, e da BNR baixa (2:1) com pico espacial variando em até 2x.

            Especialmente ao se utilizar o modo pulsado do ultrassom no tratamento de fraturas, um maior entendimento sobre domínio espacial e temporal da intensidade se faz necessário. Alguns conceitos básicos precisam ser definidos, a potência é tida como a capacidade total de realizar trabalho com a energia ultrassônica e é expressa em watts (W). Por sua vez a intensidade traduz como essa potência está sendo fornecida por unidade de área, comumente é expressa em watts por centímetro quadrado (W/cm2). Por exemplo se o ultrassom está sendo produzido com um potência de 21W e a ERA do transdutor é de 7cm2, a intensidade espacial média deve ser de 3W/cm2 (21W / 7cm2 = 3W/cm2). A intensidade de pico espacial como já visto pode ser estimada através dos valores BNR fornecidos no equipamento, sendo caracterizada com o maior valor de intensidade do feixe ultrassônico. Normalmente os equipamentos comerciais de ultrassom terapêutico apresentam em seu visor os valores de potência (W) e intensidade média espacial (W/cm2).

            Porém ao se utilizar o ultrassom no modo pulsado, além do domínio espacial, o domínio temporal também precisa ser levado em consideração. E alguns desses valores de intensidade temporais não são expressos no visor do ultrassom e são frequentemente reportados nos artigos científicos, gerando muita confusão da aplicação na prática clínica. A intensidade temporal de pico (TP) é definida como a intensidade máxima durante o  momento do pulso ligado do ultrassom, ela tem o mesmo valor da intensidade média espacial (SA), por isso costuma-se chama-la de Intensidade SATP (do inglês Sapatial Average Temporal Peak, média espacial e pico temporal), esse valor é apreciado no visor do ultrassom em W/cm2, e pouco reportado nos ensaios científicos. (Figura 5)

            Porém como já mencionado, no modo pulsado existem momento de pulso ligado e de pulso desligado, ou seja, a intensidade não se mantém constante durante a aplicação, logo valores médios da intensidade precisam ser calculados ao longo do tempo. Para esse cálculo necessita-se do conhecimento do DC selecionado para que seja multiplicado pelo valor de SATP. Por exemplo, supõe-se que está sendo utilizado o ultrassom no modo pulsado DC20% com uma Intensidade SATP de 0,2W/cm2, com isso a média temporal seria de 0,04W/cm2 (0,2W/cm2 x 20% = 0,04W/cm2  ou ainda 40mW/cm2). Com isso essa intensidade média temporal recebe o nome de Intensidade SATA (do inglês Sapatial Average Temporal Average, média espacial e média temporal), ela costumeiramente é reportada nos ensaios científicos de ultrassom pulsado e não consta na programação do visor na grande maioria dos ultrassons comerciais. (Figura 5)

Figura 5. Conceitos de intensidade no domínio espacial e temporal.

            Outro ponto importante para o sucesso terapêutico é a forma de entregar a energia ultrassônica. O terapeuta pode entregar essa energia movimentando o cabeçote de forma lenta e controlada, forma esta mais usualmente utilizada, chamada de aplicação dinâmica, ou ainda, a forma menos utilizada que é a aplicação estacionária, na qual o cabeçote permanece parado sobre a área de tratamento, durante todo o tempo preestabelecido. A aplicação dinâmica é recomenda principalmente nos modos contínuos e pulsados DC50%, nos quais as intensidades SATA poderiam ser suficientes para promover incrementos de temperaturas elevados que colocariam em risco a integridade tecidual. Com isso a movimentação do cabeçote dissiparia o calor prevenindo assim desconforto e lesões. A aplicação estacionária fica exclusivamente indicada no modo pulsado DC20% com intensidades SATA baixas, logo com pouca probabilidade de promover incremento de temperatura, descartando assim o risco de lesão tecidual.

DOSIMETRIA DEFENDIDA NOS ENSAIOS CLÍNICOS.

            A grande maioria das investigações clínicas reportam os seguintes parâmetros de modulação do Ultrassom de baixa intensidade:

Frequência: 1.5MHz.

Duty Cycle: 20%.

Intensidade SATA: 30mW/cm2.

Tempo de aplicação: 20 minutos.

Técnica de aplicação: estacionária.

            Num primeiro momento o leitor tem a impressão que esses parâmetros não poderiam ser programados em um equipamento de ultrassom convencional. Porém a literatura já aponta que equipamentos de ultrassom convencionais garantem boa resposta no tratamento de fraturas, desde que com a modulação correta.

A frequência do ultrassom convencional pode ser ajustada em 1MHz ou 3MHz, essa frequência determina apenas a qual profundidade o ultrassom chegará, no caso da escolha 1MHz assume-se que o feixe ultrassônico poderá ter uma ação profunda e no caso da escolha de 3MHZ o feixe poderá ter uma ação mais superficial. Ao se utilizar o ultrassom convencional para o tratamento de fraturas, o mesmo deverá ser programado para gerar o ultrassom com frequência de 1MHz.

            A modulação do DC em 20% é facilmente modulada em qualquer ultrassom comercial, e deverá ser respeitada. A intensidade SATA de 30mW/cm2 que acaba gerando confusão no momento de modular o equipamento convencional. A intensidade SATA não é diretamente modulada no equipamento, ela é o resultado da intensidade SATP multiplicada pelo DC. Por exemplo, para sabermos qual a Intensidade SATP que deverá ser programada no equipamento basta usar a fórmula:

I(SATA) = I(SATP) x DC%

            Então, como recomendado, o objetivo é entregar uma intensidade SATA de 30mW/cm2, usando-se um DC de 20%. O primeiro passo antes de aplicar os valores conhecidos na fórmula é converter mW/cm2 em W/cm2, logo:

 30mW/cm2 = 0,03W/cm2

Agora basta substituir.

I(SATA) = I(SATP) x DC%

0,03W/cm2 = I(SATP) x 20%

I(SATP) = 0,03W/cm2 / 20%

I(SATP) = 0,15W/cm2

Com isso deve-se programar o equipamento de ultrassom com I(SATP) igual 0,15W/cm2 (ou 0,2W/cm2) com DC igual a 20% o que garantirá uma I(SATA) de 30mW/cm2.

            E por fim, a aplicação estacionária por 20 minutos deverá ser respeitada e realizada sobre a pele tricotomizada e limpa com álcool, no local do traço de fratura na região mais superficial do osso. Recomenda-se aplicações diárias e acompanhamento radiológico para controle do processo de cicatrização.

            Abaixo, segue a programação a ser feita no equipamento convencional de ultrassom.

Frequência: 1MHz.

Duty Cycle: 20% com taxa de repetição do pulso em 100Hz.

Intensidade (SATP): 0,15W/cm2 ou 0,2W/cm2.

Tempo de aplicação: 20 minutos.

Técnica de aplicação: estacionária.

Ultrassom Terapêutico

ULTRASSOM TERAPÊUTICO: Uso clínico em consolidação de fraturas

Apresentação

A aplicação terapêutica do ultrassom foi estudada pela primeira vez em 1924, quando Wood e Loomis descreveram as alterações biológicas relacionadas ao tratamento ultrassônico, porém o primeiro uso do termo ultrassonografia foi verificado em 1958, quando uma equipe liderada por Ian Donald,  utilizou o ultrassom como uma ferramenta diagnóstica na prática da obstetrícia. [1] Atualmente, diversos benefícios são verificados em uma ampla variedade de usos do ultrassom.  Grandes avanços tecnológicos e de engenharia foram observados desde a sua criação e tudo isso permitiu que o ultrassom se tornasse uma modalidade terapêutica. Mais classicamente, o ultra-som terapêutico contínuo tem sido usado para tratar uma variedade de patologias musculoesqueléticas, como osteoartrite, patologia dos tecidos moles e dor miofascial. [2, 3]  Neste Ebook, os principais objetivos serão: 1- elucidar os princípios e teorias físicas que embasam as terapias por ultrassom; 2- compreender as interações entre o ultrassom e o tecido biológico; 3-  apontar as indicações de uso no tratamento de consolidação de fratura; 4- descrever dosimetria básica; 5- atentar para as preocupações de segurança.

Capítulo 1

CIÊNCIA BÁSICA E PLAUSIBILIDADE BIOLÓGICA.

Nesse capítulo você verá:

  • Princípios e teorias físicas do Ultrassom e sua interação com tecido biológico.
  • Plausibilidade biológica do uso do Ultrassom no processo de consolidação de fratura.
  • Efeitos fisiológicos do campo ultrassônico no tecido ósseo.
  • Resultados de pesquisas em modelo in vitro e in vivo animal da consolidação de fraturas facilitada por ultrassom terapêutico.

           

O termo Ultrassom refere-se a ondas de pressão com uma frequência superior a 20.000 Hz (20KHz), podendo ser classificado de acordo com sua intensidade e frequência. Intensidades inferiores a 5W/cm2 são consideradas como baixa intensidade, enquanto intensidades superiores e 5W/cm2 são considerados de alta intensidade; já a classificação pela frequência se dá caracterizando emissões abaixo de 500KHz como baixa frequência versus emissões acima de 500 KHz com alta frequência. Os dispositivos de ultrassom utilizados na Fisioterapia utilizam frequências 1 a 3 MHz, que variam de acordo com a profundidade a ser atingida, podendo ser emitido no regime contínuo ou pulsátil com taxa de pulso de 1:1 (50% de ciclo de trabalho) ou 1:4 (20% de ciclo de trabalho) com a seleção variando de acordo com a fase inflamatória. [4] [5]

O uso do ultrassom na Fisioterapia musculoesquelética expandiu-se rapidamente nas últimas quatro décadas. No campo da patologia dos tecidos moles, apesar de evidências ainda serem contraditórias, o ultrassom tem sido amplamente adotado para o tratamento da sinovite em distúrbios inflamatórios articulares, tendinopatias agudas e crônicas, rupturas traumáticas musculares e em derrames intra-articulares. No entanto, o ultrassom não é utilizado rotineiramente no tratamento de fraturas, mesmo com robusto nível de evidência favorecendo o seu uso. [6, 7]

As diferenças entre a terapia por ultrassom convencional e a terapia por ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) são quase que exclusivamente em seus parâmetros moduláveis. Talvez o que mais chame a atenção seja a duração do tratamento com LIPUS que costumeiramente chega a 20 minutos em modo estacionário (sem que haja a movimentação do cabeçote). Na terapia de cicatrização óssea, geralmente, indica-se aplicação diária e por períodos mais longos. A terapia por LIPUS é tipicamente caracterizada pela frequência de 1,5 MHz, intensidade espacial média e temporal média (SATA) de 30mW/cm2 (explicado com mais detalhes no capítulo 3) e ciclo de repetição de 20%, existindo um equipamento exclusivamente com esses parâmetros e com preço cerca de 4-6x maior que os equipamentos de ultrassom convencionais. Embora, esses parâmetros tenham sido testados em um volume expressivo de trabalhos in vitro, outros autores defendem que parâmetros possíveis de serem modulados em equipamentos convencionais (logo mais baratos), com frequência de 1MHz, intensidade espacial média e temporal de pico (SATP) de 0.1W/cm2 (explicado com mais detalhes no capítulo 3) e ciclo de repetição de 20% também produzem o mesmo efeito biológico [8].

O uso do ultrassom pulsado de baixa intensidade como auxiliar no manejo da cicatrização de fraturas novas ou em atraso/pseudoartrose ainda é tido por muitos como controverso. Trabalhos mais recentes investigando o mecanismo de ação do ultrassom pulsado de baixa intensidade na cicatrização de fraturas propuseram múltiplos efeitos celulares. Tem sido relatado que o feixe ultrassônico irradiado em tecido ósseo induz a proliferação de células ósseas semelhantes a pré-osteoblastos e a diferenciação de células-tronco mesenquimais para a osteogênese.[9] Outros estudos apontam que a estimulação por ultrassom na osteogênese ocorre por mecanotransdução de osteócitos e osteoblastos [10,11] por vias de sinalização da integrina  e piezo canais de íons [12, 13], levando a um ambiente inflamatório agudo local mais aprimorado e subsequente favorecimento a cicatrização de fraturas [14].

Elucidar as vias de sinalização, pelas quais o ultrassom tem potencial de modulação, é fundamental para o entendimento do mecanismo de ação dessa terapia. Das diversas vias de sinalização existentes, a interferência do campo ultrassônico em algumas dessas vias já foram amplamente estudas e uma breve revisão será feita a seguir.

As integrinas (mecanorreceptores evolucionários) são expressas por vários tipos de células e convertem sinais mecânicos em respostas bioquímicas [15]. Postula-se que as integrinas sejam componentes-chave na transdução do sinal mecânico do ultrassom [16]. Demonstrou-se que a expressão superficial aumentada das integrinas α2, α5, β1 e β3 e o agrupamento das integrinas β1 e β3 são positivamente regulados nos osteoblastos de ratos dentro de 24 horas após o tratamento com ultrassom por 20 minutos [17]. Após a exposição ao ultrassom, a expressão gênica de integrinas α2, α5 e β1 também foram positivamente reguladas de forma significativa em osteoblastos isolados de ossos longos de camundongos. [18]

A Ciclo Oxigenase do tipo 2 (COX-2) enzima responsável pela formação de importantes mediadores inflamatórios incluindo prostaglandinas, prostaciclinas e tromboxanos, tem sua expressão modulada pelo tratamento por ultrassom através de vias de sinalização da FAK e MAPK, ERK1/2, PI3K e AKT quinases em osteoblastos de roedores. Essas vias de sinalização foram antagonizadas quando as células foram tratadas com inibidores das integrinas, e não foi observada uma fosforilação aumentada das proteínas após a exposição ao ultrassom, mostrando que as integrinas servem como um elo importante para a conversão do sinal mecânico em sinalização intracelular. [19]

O óxido nítrico (NO), desempenha um papel importante para a formação óssea em resposta à carga mecânica [20]. Demonstrou-se que a regulação positiva da produção de NO em resposta ao ultrassom está envolvida na regulação da expressão do fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF) em osteoblastos humanos [21,22]. Além disso, já foi estabelecido que esse aumento é regulado pela óxido nítrico sintase II (iNOS). As vias de sinalização envolvidas na regulação da expressão da iNOS em pré-osteoblastos de roedores também já foram  investigadas e verificou-se que o ultrassom induz a expressão de iNOS pela via canônica de NF-kB nessas células.[23]

Células mesenquimais chamadas de pluripotentes possuem a capacidade de gerar células dos folhetos embrionários, ou seja, do ectoderma, mesoderma e endoderma. Alguns experimentos já demostraram que a linhagem de células mesenquimais pluripotentes de roedores pode ser convertida em linhagem osteoblástica ou condroblástica quando são irradiadas por ultrassom, e isso ocorre pela ativação das vias p38 e ERK1/2 e MAPK quinase.[24]

Os condrócitos são células mecanossensíveis que necessitam de estímulos mecânicos para crescimento e função adequados. O ultrassom tem potencial enquanto técnica para fornecer estresse mecânico; portanto, os componentes de sinalização intracelular das vias de mecanotransdução que transmitem o estímulo mecânico extracelular aos mecanismos reguladores de genes intracelulares são fundamentais para melhor entendimento do seu mecanismo de ação. Já foi investigado e percebeu-se que o ultrassom causa uma fosforilação mais intensa da FAK, Src, p130Cas, CrkII e ERK1/2 em culturas primárias de condrócitos humanos, sugerindo que essa via está envolvida no mecanismo de mecanotransdução induzido pelo Ultrassom [25]. Além disso o aumento da taxa de proliferação de condrócitos articulares de suínos em resposta ao Ultrassom já foi verificado e foi associado à via Integrina/PI3K/AKT.[26]

Alguns estudos avaliaram o efeito do ultrassom logo após a fratura óssea em modelo animal. Foi verificado importante influência da estimulação ultrassônica na proliferação de fibroblastos dentro de 24 horas após a exposição [27,28,29]. Outros estudos perceberam que a formação do hematoma no traço de fratura é acompanhada pela liberação de fatores quimiotáticos, recrutando células inflamatórias, células quiescentes e outros progenitores [30].  É interessante perceber que o uso do ultrassom sobre o traço da fratura tem potencial de recrutamento de osteoprogenitores locais e precursores osteogênicos da circulação sistêmica para o local da fratura já verificados em modelo animal com camundongos.[31]

Outro processo comumente estudado em pesquisas envolvendo ultrassom e cicatrização de fratura é o seu potencial de influenciar no processo de angiogênese. O fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) é um participante crítico na angiogênese, sendo uma proteína de sinalização produzida pelas células que estimula a formação de vasos sanguíneos, regulando a mitogênese e o recrutamento de células endoteliais [32]. O aumento de produção de VEGF em osteoblastos mandibulares humanos, monócitos de tecido sanguíneo humano [28] e osteoblastos humanos  [22] também já foram reportados em resposta ao ultrassom.

Além do VEGF, a Interleucina 8 (IL-8) e o fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) exercem um importante papel na formação de novos vasos sanguíneos a partir da vasculatura pré existente. A IL-8 é uma citocina conhecida por induzir a proliferação e migração de células endoteliais e o PDGF é um conhecido fator mitogênico para células tronco mesenquimais e osteoblastos. Foi demonstrado que o ultrassom regula positivamente a secreção de IL-8 em osteoblastos de mandíbula de humanos [28] e a expressão do gene IL-8 em pré-osteoblastos de roedores. [33] Assim como, em culturas de osteoblastos e células endoteliais humanas, verifica-se níveis mais altos de secreção do PDGF após exposição ao ultrassom. [34, 35]

O hormônio Fator de Crescimento semelhante a Insulina do tipo 1 (IGF-1) tem fundamental importância no processo chamado Osteogênese, por estimular o crescimento de células ósseas e promover a regeneração. O IGF-1 medeia a expressão do osterix (Osx), um fator de transcrição envolvido na diferenciação de pré-osteoblastos em osteoblastos maduros [36, 37]. Achados interessantes apontam que o mRNA do fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF-1) é regulado positivamente pelo ultrassom tanto na linha celular derivada da medula óssea quanto em osteoblastos de roedores [38]. Provavelmente como consequência disso também percebe-se expressão positiva de Osx, em uma linha celular derivada de osteossarcoma de rato, que expressou um fenótipo osteoblástico, após exposição ao Ultrassom. [39]

A família de fatores de transcrição da proteína ativadora 1 (AP-1) demonstrou estar envolvida em uma ampla variedade de processos celulares, incluindo proliferação celular, expressão de genes celulares e virais, morte celular, sobrevivência, diferenciação e osteogênese. Esse complexo fator transcricional AP-1 é formado a partir da combinação das proteínas c-jun e c-fos [40].  A regulação inicial precoce dessas proteínas, bem como outros marcadores osteogênicos importantes como: osteonectina (ON), osteopontina (OPN), sialoproteína óssea (BSP), fosfatase alcalina (ALP), proteína morfogenética óssea 2 (BMP- 2), foram demonstradas em células com fenótipo osteoblástico após a exposição ao ultrassom. [38, 41, 42, 43]

Outro efeito interessante do ultrassom se dá na expressão dos genes Dlx5 e Msx2. Sabe-se que a proteína homeodomínio Dlx5 é um ativador do Runx2 (um importante regulador da osteogênese) e acredita-se ser um importante regulador da formação óssea sendo importante para a diferenciação e maturação dos osteoblastos [45], enquanto o Msx2  é um fator de transcrição de homeodomínio identificado pela primeira vez em ossos craniofaciais e osteoblastos femorais humanos, exercendo anabolismo ósseo e promovendo diferenciação osteogênica dos progenitores esqueléticos, sendo expresso durante a proliferação de osteoblastos [46]. A expressão gênica aumentada de Dlx5 e Msx2 foi observada nas primeiras 2 semanas de tratamento com Ultrassom em células semelhantes a osteoblastos de ratos [39].

Durante o reparo ósseo, as células tronco mesenquimais em proliferação começam a se diferenciar em condrócitos e a ossificação endocondral começa a acontecer de forma mais expressiva. Foi verificado que o ultrassom de baixa intensidade emitido em modo contínuo promoveu expressão melhorada dos marcadores condrogênicos Col-2, aggrecan (proteoglicano) e Sox-9 (um gene que codifica um fator de transcrição proeminente para diferenciação de condrócitos) nas semanas 1 e 2 em células tronco de coelho[46]. Em ensaios in vitro com células tronco, percebeu-se que quando as mesmas eram estimuladas com ultrassom por 40 min/dia durante 1 semana, apresentaram como resultado um fenótipo condrogênico mais pronunciado, expressando marcadores condrogênicos (agrecan, Col-1, Col-2 e Col-10) de forma mais acentuada [47]. Também se sabe que ultrassom impacta na diferenciação de condrócitos primários de rato e porco nas primeiras 2 semanas de tratamento e essas maiores expressões são reguladas por TGF-β, TGF-βR1, PG, Col-2 e Col-9 [48, 49, 50]. E além disso, alguns estudos postularam que aumento dos proteoglicanos nos condrócitos de ratos tratados por ultrassom e que esse mecanismo acontecia governado pelo aumento da concentração intracelular de Ca2+. [51]

A aplicação do ultrassom no tratamento ósseo demonstrou ser eficaz em todos os estágios da cicatrização das fraturas: modulando a inflamação, potencializando vascularização, ativando mecanismos de condrogênese e ossificação. Vários efeitos explicam essa eficácia, como o aprimoramento dos osteoblastos, promoção de calcificação da matriz, angiogênese e formação de calos através da estimulação da expressão e entrega de citocinas; também como a estimulação do recrutamento, diferenciação e maturação de células-tronco mesenquimais com migração para os locais de fratura, e fatores de crescimento relacionados à angiogênese,  e por fim promoção da ossificação endocondral, possivelmente através de forças mecânicas semelhantes à carga física doadas pelo ultrassom.

Embora os estudos in vitro não sejam apropriados para identificar toda a complexidade dos efeitos biológicos e clínicos, eles são interessantes para estudar mecanismos específicos de ação e suas respectivas vias de sinalização. Todo esse entendimento do potencial do ultrassom em interferir de forma positiva nos mecanismos envolvidos no processo de consolidação de fratura garante uma boa plausibilidade biológica que justifica a geração de hipóteses clínicas para seu uso. No próximo capítulo os ensaios clínicos conduzidos em humanos serão revistos direcionando assim a prática clínica. No entanto, é preciso ter muito cuidado com os parâmetros do Ultrassom configurados nos experimentos in vitro ou em modelo animal, de forma que exige-se muita cautela na hora de transpor essas configurações para ensaios em humanos. Em seguida, deve ser possível derivar uma “dose acústica” necessária para respostas específicas e transferir essas descobertas in vitro para aplicações in vivo em diferentes profundidades, logo com dosimetrias personalizadas.

Efeitos biológicos causados pelo Ultrassom

Osteoblastos

expressão integrinas α2, α5, β1 e β3.

mecanotransdução.

fosforilação FAK, MAPK, ERK1/2 e AKT.

Modulação da COX-2.

ativa via canônica NFkβ e  iNOS.

NO;

VEGF;

angiogênese.

  expressão Dlx5 e Msx2.

diferenciação e maturação;

diferenciação osteogênica.

  c-jun, c-fos, AP-1.

proliferação celular;

expressão genética;

diferenciação;

osteogênese.

  expressão do gene da IL-8.

proliferação e migração de células epiteliais;

angiogênese.

Células Tronco Mesenquimais

Ativação das vias p38, MAPK e ERK1/2.

 linhagem osteoblástica;

linhagem condroblástica.

expressão Col-1, Col-2, Col-10, agrecan e SOX9.

  aumento de diferenciação condrócitos;

ossificação endocondral.

  Ca2+ intracelular.

  proteoglicanas.

Condrócitos

  Fosforilação FAK, Src, pl30Cas. CrkII, ERK1/2.

  da linhagem osteoblástica;

da linhagem condroblástica.

Ativação da via Integrina/Pl3K/AKT.

mecanotransdução;

proliferação de condrócitos.

Referências:

1- Newman PG, Rozycki GS. The history of ultrasound. Surg. Clin. North Am. 1998 Apr;78(2):179-95.

2- Robertson VJ, Baker KG. A review of therapeutic ultrasound: effectiveness studies. Phys Ther. 2001 Jul;81(7):1339-50.

3- Analan PD, Leblebici B, Adam M. Effects of therapeutic ultrasound and exercise on pain, function, and isokinetic shoulder rotator strength of patients with rotator cuff disease. J Phys Ther Sci. 2015 Oct;27(10):3113-7.

            4- Bejarano F, Feeney A, Wallace R, Simpson H, Lucas M. An ultrasonic orthopaedic surgical device based on a cymbal transducer. Ultrasonics. 2016;72:24-33.

5- Hennet P. Piezoelectric bone surgery: a review of the literature and potential 
applications in veterinary oromaxillofacial surgery. Front Vet Sci. 2015;2:8.

6- Lento PH, Primack S. Advances and utility of diagnostic ultrasound in musculoskeletal medicine. Curr Rev Musculoskelet Med 2008;1:24-31.

7- Patil P, Dasgupta B. Role of diagnostic ultrasound in the assessment of 
musculoskeletal diseases. Ther Adv Musculoskelet Dis. 2012;4:341-355.

            8- Warden SJ, Fuchs RK, Kessler CK, Avin KG, Cardinal RE, Stewart RL. Ultrasound produced by a conventional therapeutic ultrasound unit accelerates fracture repair. Phys Ther. 2006 Aug;86(8):1118-27.

9- Kusuyama J, Bandow K, Shamoto M, et al. Low intensity pulsed ultrasound (LIPUS) influences the multilineage differentiation of mesenchymal stem and progenitor cell lines through ROCK-Cot/Tpl2-MEK-ERK signaling pathway. J Biol 
Chem 2014;289:10330-10344.

10- Bayat M, Virdi A, Rezaei F, Chien S. Comparison of the in vitro effects of low-level  laser therapy and low-intensity pulsed ultrasound therapy on bony cells and stem  cells. Prog Biophys Mol Biol 2018;133:36-48.

11- Fung CH, Cheung WH, Pounder NM, Harrison A, Leung KS. Osteocytes exposed  to far field of therapeutic ultrasound promotes osteogenic cellular activities in pre- osteoblasts through soluble factors. Ultrasonics 2014; 54: 1358-1365.

12- Tang CH, Lu DY, Tan TW, Fu WM, Yang RS. Ultrasound induces hypoxia-inducible factor-1 activation and inducible nitric-oxide synthase expression through the integrin/integrin-linked kinase/Akt/mammalian target of rapamycin pathway in osteoblasts. J Biol Chem 2007;282:25406-25415.

13- Gao Q, Cooper PR, Walmsley AD, Scheven BA. Role of Piezo channels in ultrasound-stimulated dental stem cells. J Endod 2017;43:1130-1136.

14- Li L, Yang Z, Zhang H, et al. Low-intensity pulsed ultrasound regulates proliferation and differentiation of osteoblasts through osteocytes. Biochem Biophys Res Commun 2012;418:296-300.

15- Ingber D. Integrins as mechanochemical transduc- ers. Curr Opin Cell Biol 1991;3:841–848.

16- Pounder NM, Harrison AJ. Low intensity pulsed ultrasound for fracture healing: a review of the clinical evidence and the associated biological mechanism of action. Ultrasonics 2008;48:330–338.

17- Tang CH, Yang RS, Huang TH, Lu DY, Chuang WJ, Huang TF, Fu WM. Ultrasound stimulates cyclooxygenase-2 expression and increases bone for- mation through integrin, focal adhesion kinase, phos- phatidylinositol 3-kinase, and Akt pathway in osteoblasts. Mol Pharmacol 2006;69:2047–2057.

18- Watabe H, Furuhama T, Tani-Ishii N, Mikuni-Takagaki Y. Mechanotransduction activates α5β1 integrin and PI3K/Akt signaling pathways in mandibular osteoblasts. Exp Cell Res 2011;317:2642–2649.

19- Tang CH, Yang RS, Huang TH, Lu DY, Chuang WJ, Huang TF, Fu WM. Ultrasound stimulates cyclooxygenase-2 expression and increases bone formation through integrin, focal adhesion kinase, phos-phatidylinositol 3-kinase, and Akt pathway in osteoblasts. Mol Pharmacol. 2006;69:2047–2057.

20- Fox SW, Chambers TJ, Chow JW. Nitric oxide is an early mediator of the increase in bone forma- tion by mechanical stimulation. Am J Physiol. 1996;270: E955–E960.

21- Reher P, Harris M, Whiteman M, Hai HK, Meghji S. Ultrasound stimulates nitric oxide and prosta-glandin E2 production by human osteoblasts. Bone. 2002; 31:236–241.

22- Wang FS, Kuo YR, Wang CJ, Yang KD, Chang PR, Huang YT, Huang HC, Syn YC, Yang YJ, Chen YJ. Nitric oxide mediates ultrasound-induced hypoxia-inducible factor-1alpha activation and vascu- lar endothelial growth factor-A expression in human osteoblasts. Bone. 2004;35:114–123.

23- Hou CH, Lin J, Huang SC, Hou SM, Tang CH. Ultrasound stimulates NF-kappaB activation and iNOS expression via the Ras/Raf/MEK/ERK signal- ing pathway in cultured preosteoblasts. J Cell Physiol 2009;220:196–203.

24- Ikeda K, Takayama T, Suzuki N, Shimada K, Otsuka K, Ito K. Effects of low-intensity pulsed ultra- sound on the differentiation of C2C12 cells. Life Sci. 2006; 79:1936–1943.

25- Whitney NP, Lamb AC, Louw TM, Subramanian A. Integrin-mediated mechanotransduction path- way of low-intensity continuous ultrasound in human chondrocytes. Ultrasound Med Biol 2012;38:1734–1743.

26- Takeuchi R, Ryo A, Komitsu N, Mikuni-Takagaki Y, Fukui A, Shiraishi T, Morishita S, Yamazaki Y, Kumagai K, Aoki I, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound activates the phosphatidylinositol 3 kinase/Akt pathway and stimulates the growth of chondrocytes in three-dimensional cultures: a basic science study. Arthritis Res Ther. 2008; 10:R77.

27- Zhou S, Schmelz A, Seufferlein T, Li Y, Zhao J, Bachem MG Molecular mechanisms of low intensity pulsed ultrasound in human skin fibroblasts. J Biol Chem. 2004; 279:54463–54469.

28- Doan N, Reher P, Meghji S, Harris M. In vitro effects of therapeutic ultrasound on cell proliferation, protein synthesis, and cytokine production by human fibroblasts, osteoblasts, and monocytes. J Oral Maxillofac Surg. 1999;57 :409–419.

29- Reher P, Doan N, Bradnock B, Meghji S, Harris M. Therapeutic ultrasound for osteoradionecrosis: an in vitro comparison between 1 MHz and 45 kHz machines. Eur J Cancer 1998;34:1962–1968.

30- Oryan A, Monazzah S, Bigham-Sadegh A. Bone injury and fracture healing biology. Biomed Environ Sci. 2015 Jan;28(1):57-71.

31- Kumagai K, Takeuchi R, Ishikawa H, Yamaguchi Y, Fujisawa T, Kuniya T, Takagawa S, Muschler GF, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound accel- erates fracture healing by stimulation of recruitment of both local and circulating osteogenic progenitors. J Orthop Res 2012;30:1516–1521.

32- Ferrara N, Gerber HP, LeCouter J. The biology of VEGF and its receptors. Nat Med. 2003;9:669–676.

33- Bandow K, Nishikawa Y, Ohnishi T, Kakimoto K, Soejima K, Iwabuchi S, Kuroe K, Matsuguchi T. Low-intensity pulsed ultrasound (LIPUS) induces RANKL, MCP-1, and MIP-1beta expression in osteoblasts through the angiotensin II type 1 recep- tor. J Cell Physiol. 2007;211:392–398.

34- Ito M, Azuma Y, Ohta T, Komoriya K. Effects of ultrasound and 1,25-dihydroxyvitamin D3 on growth factor secretion in co-cultures of osteoblasts and endo- thelial cells. Ultrasound Med Biol 2000;26:161–166.

35- Kilian O, Flesch I, Wenisch S, Taborski B, Jork A, Schnettler R, Jonuleit T. Effects of platelet growth factors on human mesenchymal stem cells and human endothelial cells in vitro. Eur J Med Res. 2004;9:337–344.

36- Celil AB, Campbell PG. BMP-2 and insulin-like growth factor-I mediate Osterix (Osx) expression in human mesenchymal stem cells via the MAPK and protein kinase D signaling pathways. J Biol Chem  2005;280:31353–31359.

37- Nakashima K, Zhou X, Kunkel G, Zhang Z, Deng JM, Behringer RR, de Crombrugghe B (2002) The novel zinc finger-containing transcription factor osterix is required for osteoblast differentiation and bone formation. Cell. 2002 108:17–29.

38- Naruse K, Miyauchi A, Itoman M, Mikuni-Takagaki Y. Distinct anabolic response of osteoblast to low- intensity pulsed ultrasound. J Bone Miner Res. 2003;18:360–369.

39- Suzuki A, Takayama T, Suzuki N, Sato M, Fukuda T, Ito K. Daily low-intensity pulsed ultrasound- mediated osteogenic differentiation in rat osteoblasts. Acta Biochim Biophys Sin. 2009;41:108–115.

40- Chiu R1, Boyle WJ, Meek J, Smeal T, Hunter T, Karin M. The c-Fos protein interacts with c-Jun/AP-1 to stimulate transcription of AP-1 responsive genes. Cell. 1988 Aug 12;54(4):541-52.

41- Gleizal A, Li S, Pialat JB, Beziat JL. Transcriptional expression of calvarial bone after treatment with low- intensity ultrasound: an in vitro study. Ultrasound Med Biol 2006;32:1569–1574.

42- Yang RS, Lin WL, Chen YZ, Tang CH, Huang TH, Lu BY, Fu WM. Regulation by ultrasound treatment on the integrin expression and differentia- tion of osteoblasts. Bone. 2005;36:276–283.

43- Maddi A, Hai H, Ong ST, Sharp L, Harris M, Meghji S. Long wave ultrasound may enhance bone regeneration by altering OPG/RANKL ratio in human osteoblast-like cells. Bone. 2006;39:283–288.

44- Samee N, Geoffroy V,  Marty C, Schiltz C, Vieux-Rochas M, Levi G,  Vernejoul M. Dlx5, a Positive Regulator of Osteoblastogenesis, is Essential for Osteoblast-Osteoclast Coupling. Am J Pathol. 2008 Sep; 173(3): 773–780.

45- Cheng S, Shao J, Cai J,  Sierra O, Towler D. Msx2 Exerts Bone Anabolism via Canonical Wnt Signaling. J Biol Chem. 2008 Jul 18; 283(29): 20505–20522.

46- Lee HJ, Choi BH, Min BH, Son YS, Park SR. Low- intensity ultrasound stimulation enhances chondrogenic differentiation in alginate culture of mesenchymal stem cells. Artificial organs. 2006;30(9):707–715.

47- Schumann D, Kujat R, Zellner J, Angele MK, Nerlich M, Mayr E, Angele P. Treatment of human mesen- chymal stem cells with pulsed low intensity ultrasound enhances the chondrogenic phenotype in vitro. Biorheology. 2006; 43:431–443.

48- Mukai S, Ito H, Nakagawa Y, Akiyama H, Miyamoto M, Nakamura T (2005) Transforming growth factor-beta1 mediates the effects of low-intensity pulsed ultra- sound in chondrocytes. Ultrasound Med Biol. 2005;31:1713–1721.

49- Takeuchi R, Ryo A, Komitsu N, Mikuni-Takagaki Y, Fukui A, Shiraishi T, Morishita S, Yamazaki Y, Kumagai K, Aoki I, Saito T. Low-intensity pulsed ultrasound activates the phosphatidylinositol 3 kinase/Akt pathway and stimulates the growth of chondrocytes in three-dimensional cultures: a basic science study. Arthritis Res Ther. 2008;10:R77.

50- Kobayashi Y, Sakai D, Iwashina S, Iwabuchi S, Mochida J. Low-intensity pulsed ultrasound stimulates cell proliferation, proteoglycan synthesis and expres- sion of growth factor-related genes in human nucleus pulposus cell line. Eur Cell Mater 2009;17:15–22.

51- Parvizi J, Parpura V, Greenleaf JF, Bolander ME. Calcium signaling is required for ultrasound stimulated aggrecan synthesis by rat chondrocytes. J Orthop Res. 2002;20:51–57.


Capítulo 2

APLICABILIDADE CLÍNICA

Nesse capítulo você verá:

  • Revisão de ensaios clínicos em humanos.
  • Revisões sistemáticas com meta análises.
  • Posicionamento do Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) do Reino Unido.

            Com o objetivo de comparar os efeitos do ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) com os campos eletromagnéticos pulsados ​​(PEMF) na cicatrização de fraturas foi realizada uma revisão sistemática de trabalhos originais do tipo ensaios clínicos, publicados na Journal of Athletic Training [1]. Após a aplicação dos filtros de busca, 17 artigos foram avaliados independentemente por 2 revisores. Os artigos foram excluídos se não obedecessem os seguintes critérios: 1- alocação aleatória de tratamentos, 2- inclusão de pacientes esqueleticamente maduros de ambos os sexos com uma fratura atual, 3- cegamento do paciente e dos avaliadores quanto ao grupo de tratamento, 4- administração de LIPUS ou PEMF para um dos grupos de tratamento, 5- avaliação do tempo até a cicatrização de fraturas ou proporção de fraturas curadas, conforme determinado radiograficamente, clinicamente ou ambos. Com isso, oito ensaios preencheram os critérios de inclusão. A qualidade metodológica de todos os ensaios foi avaliada usando os critérios PEDro.

Como resultado percebeu-se que a heterogeneidade entre os estudos impediu a comparação direta da eficácia do LIPUS com a do PEMF. Porém verificou-se que os estudos incluídos eram geralmente de alta qualidade metodológica, sugerindo que o LIPUS pode acelerar a cicatrização de fraturas.  Atualmente, a eficácia desse tratamento é melhor apoiada pelos ensaios clínicos randomizados e controlados de fraturas agudas da tíbia. Sendo necessário, portanto, ensaios clínicos controlados para avaliar o manejo de fraturas agudas em outras peças ósseas.

Um estudo randomizado, multicêntrico, duplo-cego placebo controlado, publicado na BMC Musculoskeletal Disorders, avaliou o potencial do ultrassom pulsado de baixa intensidade (LIPUS) em influenciar positivamente a cicatrização fraturas de união tardia; o estudo foi realizado em fraturas do eixo da tíbia [2]. O status de “fratura de união tardia” foi definido em termos de idade da fratura sem consolidação maior que 4 meses. O estudo incluiu 101 pacientes que foram randomizados e duplo-cegos para o grupo LIPUS e um grupo placebo (ultrassom modificado que não emitia o feixe). A idade dos participantes variou de 14 a 70 anos; Todos os pacientes de ambos os grupos usaram o ultrassom ou o ultrassom placebo no grupo controle por 20 minutos por dia, durante um período de 16 semanas.

            A área do gap de fratura e a densidade óssea foram examinadas por tomografia computadorizada (TC). A TC foi realizada antes do início do estudo e após 16 semanas. Além disso, foram realizadas radiografias adicionais após um mês, dois e três meses. As características demográficas dos pacientes (idade, sexo, precauções cirúrgicas e tabagismo) foram amplamente comparáveis ​​nos grupos de intervenção e controle; somente os participantes do grupo controle apresentaram um índice médio de massa corporal mais alto.[2]

            O grupo que realizou ultrassom mostrou uma melhora significativa na densidade óssea comparado ao grupo placebo. Outra vantagem estatisticamente significativa do grupo que realizou ultrassom foi a redução na área do gap de fratura. Clinicamente, após as 16 semanas de tratamento, uma consolidação sólida foi encontrada em 65% dos pacientes que realizaram ultrassom, em comparação com 46% do grupo controle. Concluiu-se, portanto, que o LIPUS melhorou significativamente o processo de cicatrização em pacientes com fraturas de união tardia, motivo pelo qual é recomendado o uso de LIPUS para essa condicação.[2]

Uma interessante revisão sistemática com meta-análise, publicada na Injury, avaliando o LIPUS em pseudoartrose [3]; 13 estudos foram utilizados e um total de 1441 pseudoartroses foram incluídos no estudo. As seguintes conclusões foram extraídas dos dados: A pseudoartrose hipertrófica mostrou uma melhor tendência para cicatrizar com o LIPUS do que a pseudoartrose atrófica biologicamente inativa.[3]

No estudo, um intervalo sem cirurgia de 3 a 6 meses antes do LIPUS foi associado a uma melhor cicatrização. Não houve diferença significativa entre a pseudoartrose dos ossos longos das extremidades superior e inferior. Em conclusão, o LIPUS é recomendado como uma alternativa às medidas cirúrgicas para intervenção em pseudoatroses.[3]

Como sabido, as fraturas escafóides são um grande desafio dentro da pr[atica clínica traumatológica, pois progridem para pseudoatrose em até 15% da vezes quando não deslocadas, e tem pior prognóstico ainda quando a fratura é deslocada. O tratamento padrão nesses casos é cirurgico; no entanto, muitos indivíduos não conseguem se submeter a essa opção, ou ainda, muitos desejam tentar medidas conservadoras.

Como já foi apresentado o LIPUS se mostra favorável para um bom desfecho nesses pacientes, com isso, um estudo publicado na Revista Hand teve como objetivo realizar uma meta-análise abrangente da literatura relevante para determinar o sucesso do uso de LIPUS no tratamento de pseudoartroses de escafoide. Avaliou-se um total de 686 estudos que atenderam aos critérios de pesquisa inicial. Foram excluídos estudos que relataram: 1- menos de 5 casos, 2- aqueles não publicados em inglês, 3- aqueles não relacionados ao tratamento não-cirúrgico do escafoide com LIPUS e 4- aqueles sem dados suficientes. Com isso, cinco estudos preencheram os critérios e a análise estatística foi realizada para determinar as taxas gerais de união.[4]

Foi verificado que o uso de LIPUS em 166 pseudoartroses atingiu um índice de cicatrização de 78,6%. O tempo médio de união após o tratamento foi de 4 meses. Com esses resultados encorajadores, sobre fraturas desafiadoras e pseudoatroses solucionadas sem intervenção cirúrgica na maioria dos pacientes o estudo concluiu que o LIPUS pode servir como uma alternativa não cirúrgica ao tratamento de pseudoartrose de escafoide.[4]

O estudo com recomendação clínica mais recente foi realizado em 2019 (disponível on-line: www. Nice.org.uk) como parte de um processo de revisão do National Institute for Health and Care Excellence (Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) do Reino Unido). O argumento para a adoção do sistema de cicatrização óssea por ultrassom de baixa intensidade para tratar fraturas de ossos longos com atraso de cicatrização (falha após 9 meses) é apoiado pela literatura, que mostra altas taxas de cicatrização de fraturas. Também é defendido que tratamento de pseudo artroses está associado a uma economia de custos estimada de £2.407 por paciente em comparação com o manejo atual (aproximadamente R$15.750, pela cotação atual), evitando a cirurgia na maioria dos casos. [6]

Além disso existem evidências radiológicas de melhora na cicatrização quando o uso do ultrassom é usado para fraturas ósseas longas com cicatrização atrasada (falha de evidência radiológica de cicatrização após 3 meses), apresentando alta taxa de resolução da fratura sem necessidade de cirurgia. Com essa diminuição dos procedimentos secundários (cirurgias), consequentemente redução dos riscos de complicações clínicas e também da redução dos custos financeiros estabelece-se o uso do ultrassom como modalidade indicada para o tratamento de fraturas.[6]

Além da acreditação da NICE sistemas de cicatrização ósseo por ultrassom também possuem aprovação pelo Food and Drug Administration (FDA) nos Estados Unidos desde 2006. FDA é uma agência federal do departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, responsável por aprovar o uso de dispositivos eletrônicos na área da saúde em solo americano. Segundo a recomendação, o aparelho de ultrassom pulsado de baixa intensidade demonstrou-se em estudos in vitro e in vivo que é capaz de promover estímulos as células a produzir fatores de crescimento e proteínas importantes para a cicatrização óssea. A recomendação de administração do tratamento, uma vez ao dia, por 20 minutos, ou conforme prescrição.[7]

Aplicação

Indicações

Parâmetros

Resultados

Fraturas

Fraturas frescas

Freq.: 1.5MHz

Intensidade (SATA): 30mW/cm2.

Ciclo de trabalho: 20%

Tempo: 20 minutos

ou

Freq.: 1 MHz

Intensidade (SATP): 0.1-0.2W/cm2.

Ciclo de trabalho: 20%

Tempo: 20 minutos

tempo de cicatrização

Fraturas com atraso

taxa de cicatrização nas fratura com atraso

taxa de cicatrização nas pseudoartroses

Pseudoartroses

necessidade de cirurgias

Figura 1. Quadro com indicações, parâmetros e resultados do Ultrassom em fraturas.

Referências:

1- Walker N, Denegar C, Preische J. Low-Intensity Pulsed Ultrasound and Pulsed Electromagnetic Field in the Treatment of Tibial Fractures: A Systematic Review. J Athl Train. 2007 Oct-Dec; 42(4): 530–535.

2- Schofer M, Block J, Aigner J et al. Improved healing response in delayed unions of the tibia with low-intensity pulsed ultrasound: results of a randomized sham-controlled trial. BMC Musculoskelet Disord. 2010 11:229.

            3- Leighton R, Watson T, Giannoudis P et al. Healing of fracture nonunions treated with low- intensity pulsed ultrasound (LIPUS): A systematic review and meta analysis. Injury 2017;48:1339–1347.

4- Seger EW, Jauregui JJ, Horton SA, Davalos G, Kuehn E, Stracher MA. Low-Intensity Pulsed Ultrasound for Nonoperative Treatment of Scaphoid Nonunions: A Meta-Analysis [published online ahead of print, 2017 Apr 1]. Hand (N Y). 2017;13(3):275-280.

5- Warden SJ, Fuchs RK, Kessler CK, Avin KG, Cardinal RE, Stewart RL. Ultrasound produced by a conventional therapeutic ultrasound unit accelerates fracture repair. Phys Ther. 2006 Aug;86(8):1118-27.

6- EXOGEN ultrasound bone healing system for long bone fractures with non-union or delayed healing. Disponível em: https://www.nice.org.uk/guidance/mtg12/chapter/1-Recommendations. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

7- EXOGEN® Ultrasound Bone Healing System 71034400. Disponível em: https://fda.report/GUDID/M937710344001. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

Capítulo 3

DOSIMETRIA APLICADA AO TRATAMENTO DE FRATURAS

Nesse capítulo você verá:

  • Revisão de conceitos físicos que impactam na dosimetria do ultrassom
  • Prescrição dos parâmetros do ultrassom para consolidação de fraturas
  • Programação do equipamento convencional de ultrassom para o tratamento de fraturas.

O Ultrassom é uma energia acústica, emitida em alta frequência, acima da frequência do som audível, o que justifica o seu nome. O som audível pelos seres humanos é emitido numa banda de frequência que varia de 16 - 20000Hz, toda energia acústica emitida em frequências menores que 16Hz recebe o nome de infrassom e toda energia acústica emitida cima de 20000Hz recebe o nome de ultrassom. Alguns animais são capazes de captar infrassons (Elefantes e gatos) e ultrassons (morcegos e golfinhos). (Figura 1)

Figura 1. Infrassom, som e ultrassom com suas respectivas bandas de frequência.

Como sabido o transdutor do ultrassom (também referenciado no Brasil como cabeçote do ultrassom) é composto por um cristal de cerâmicas sintéticas, usualmente de Zircontato Titanato de Chumbo (PZT) de aproximadamente 2-3mm de espessura e com área variando entre 3-10cm2. A área do cristal que garantirá área de radiação efetiva (ERA) do ultrassom. Em condições ideais, a área do cristal deveria coincidir com a área do transdutor, porém regra geral, a área do transdutor é maior que a área do cristal. Esse cristal cerâmico tem a competência de converter a energia elétrica a ele destinada, em oscilações mecânicas geradas por perturbações em suas dimensões. A garantia esse fenômeno se dá por um efeito chamado piezoelétrico invertido, pois a medida que a corrente elétrica alternada passa pelo cristal, produz compressão e expansão da cerâmica. Essas mudanças na polaridade da corrente elétrica que leva as oscilações em alta frequência que caracterizam a onda ultrassônica propriamente dita, desse modo o efeito piezoelétrico invertido que cria o ultrassom na frequência desejada. (Figura 2)

Figura 2. Anatomia do transdutor de ultrassom e processo de geração ultrassônica pelo efeito piezoelétrico invertido do cristal.

            Um erro comum dentro da prática clínica é considerar que intensidades mais altas promovam aquecimento profundo e que intensidades mais baixas promovam aquecimentos superficiais. Entretanto, a profundidade atingida pelo campo ultrassônico é determinada pela sua frequência de emissão. Em frequências de 1MHz a energia é menos absorvida e mais transmitida, fazendo com o que essa energia atinja distâncias mais profundas, já em frequências de 3MHz a energia passa a ser mais absorvida e menos transmitida, com isso rapidamente os tecidos superficiais absorvem essa energia impedindo que o campo ultrassônico se aprofunde. Com isso, por possuir maior taxa de absorção o ultrassom emitido em 3MHz promove um pico de calor mais rápido e 3x maior quando comparado ao ultrassom emitido em 1MHz, porém de forma superficial.

            O campo ultrassônico pode ser gerado em dois modos, com emissão contínua ou pulsada dos feixes. No modo contínuo, os pulsos ultrassônicos são emitidos de forma interrupta o que caracteriza ciclo de trabalho em 100% do tempo, já no modo pulsado existem intervalos entre os pulsos podendo  caracterizar diversos ciclos de trabalho, como 10%, 20%, 25%, 33% e 50%, sendo mais comuns no Brasil equipamentos com 20% e 50%. Ao se escolher o modo pulsado com ciclo de trabalho (DC) de 50%, o fisioterapeuta assume uma taxa de pulso de 1:1, ou seja 1 pulso ligado para 1 desligado.  E ao se escolher o modo pulsado  com DC de 20%, o terapeuta assume  uma taxa de pulso de 1:4, ou seja 1 pulso ligado para 4 desligados. Por regra geral, a indicação desses parâmetros baseia-se no estágio inflamatório da condição a ser tratada, por exemplo, indica-se o modo contínuo para inflamações crônicas ou na fase de remodelagem, indica-se o modo pulsado 50% em inflamações na fase de reparo fibroblástico, e indica-se o modo pulsado 20% em fase inicial do processo inflamatório. (Figura 3)

Figura 3. Modos de operação do ultrassom. Observa-se graficamente os modos contínuo DC100%, pulsado DC50% com taxa de pulso de 1:1 e pulsado DC 20% com taxa de pulso de 1:4.

            Os feixes de ultrassom não se comportam de forma homogênea ao longo do seu eixo longitudinal no domínio do espaço, alguns pontos possuem maior intensidade do que outros em relação a intensidade espacial média (programada no equipamento). Essa taxa variação da intensidade do feixe é chamada de Beam Non-uniformity Ratio (BNR) e ela determina a qualidade do feixe ultrassônico. Em condições teóricas ideais a BNR deveria ser de 1:1, ou seja, a intensidade programada no equipamento deveria ser a mesma a ser entregue, sem variações. Porém na prática o que se observa são diversos valores de BNR nos equipamentos comerciais. Por exemplo, costumeiramente costuma-se ver equipamentos com BNR 8:1, isso significa que pode acontecer uma variação de pico espacial de intensidade de até 8x o valor da intensidade espacial média desejada. Os picos espaciais de intensidades relacionados a alta BNR são responsáveis por grande parte do desconforto ou dor periosteal associados ao tratamento com ultrassom. Logo, os melhores feixes de ultrassom são gerados em equipamentos que possuam valores de BNR baixos, predizendo assim mais homogeneidade no feixe. (Figura 4)

Figura 4. Beam Non-Uniformity Ratio. Representação gráfica da BNR alta (8:1) com pico espacial variando em até 8x, e da BNR baixa (2:1) com pico espacial variando em até 2x.

            Especialmente ao se utilizar o modo pulsado do ultrassom no tratamento de fraturas, um maior entendimento sobre domínio espacial e temporal da intensidade se faz necessário. Alguns conceitos básicos precisam ser definidos, a potência é tida como a capacidade total de realizar trabalho com a energia ultrassônica e é expressa em watts (W). Por sua vez a intensidade traduz como essa potência está sendo fornecida por unidade de área, comumente é expressa em watts por centímetro quadrado (W/cm2). Por exemplo se o ultrassom está sendo produzido com um potência de 21W e a ERA do transdutor é de 7cm2, a intensidade espacial média deve ser de 3W/cm2 (21W / 7cm2 = 3W/cm2). A intensidade de pico espacial como já visto pode ser estimada através dos valores BNR fornecidos no equipamento, sendo caracterizada com o maior valor de intensidade do feixe ultrassônico. Normalmente os equipamentos comerciais de ultrassom terapêutico apresentam em seu visor os valores de potência (W) e intensidade média espacial (W/cm2).

            Porém ao se utilizar o ultrassom no modo pulsado, além do domínio espacial, o domínio temporal também precisa ser levado em consideração. E alguns desses valores de intensidade temporais não são expressos no visor do ultrassom e são frequentemente reportados nos artigos científicos, gerando muita confusão da aplicação na prática clínica. A intensidade temporal de pico (TP) é definida como a intensidade máxima durante o  momento do pulso ligado do ultrassom, ela tem o mesmo valor da intensidade média espacial (SA), por isso costuma-se chama-la de Intensidade SATP (do inglês Sapatial Average Temporal Peak, média espacial e pico temporal), esse valor é apreciado no visor do ultrassom em W/cm2, e pouco reportado nos ensaios científicos. (Figura 5)

            Porém como já mencionado, no modo pulsado existem momento de pulso ligado e de pulso desligado, ou seja, a intensidade não se mantém constante durante a aplicação, logo valores médios da intensidade precisam ser calculados ao longo do tempo. Para esse cálculo necessita-se do conhecimento do DC selecionado para que seja multiplicado pelo valor de SATP. Por exemplo, supõe-se que está sendo utilizado o ultrassom no modo pulsado DC20% com uma Intensidade SATP de 0,2W/cm2, com isso a média temporal seria de 0,04W/cm2 (0,2W/cm2 x 20% = 0,04W/cm2  ou ainda 40mW/cm2). Com isso essa intensidade média temporal recebe o nome de Intensidade SATA (do inglês Sapatial Average Temporal Average, média espacial e média temporal), ela costumeiramente é reportada nos ensaios científicos de ultrassom pulsado e não consta na programação do visor na grande maioria dos ultrassons comerciais. (Figura 5)

Figura 5. Conceitos de intensidade no domínio espacial e temporal.

            Outro ponto importante para o sucesso terapêutico é a forma de entregar a energia ultrassônica. O terapeuta pode entregar essa energia movimentando o cabeçote de forma lenta e controlada, forma esta mais usualmente utilizada, chamada de aplicação dinâmica, ou ainda, a forma menos utilizada que é a aplicação estacionária, na qual o cabeçote permanece parado sobre a área de tratamento, durante todo o tempo preestabelecido. A aplicação dinâmica é recomenda principalmente nos modos contínuos e pulsados DC50%, nos quais as intensidades SATA poderiam ser suficientes para promover incrementos de temperaturas elevados que colocariam em risco a integridade tecidual. Com isso a movimentação do cabeçote dissiparia o calor prevenindo assim desconforto e lesões. A aplicação estacionária fica exclusivamente indicada no modo pulsado DC20% com intensidades SATA baixas, logo com pouca probabilidade de promover incremento de temperatura, descartando assim o risco de lesão tecidual.

DOSIMETRIA DEFENDIDA NOS ENSAIOS CLÍNICOS.

           

            A grande maioria das investigações clínicas reportam os seguintes parâmetros de modulação do Ultrassom de baixa intensidade:

Frequência: 1.5MHz.

Duty Cycle: 20%.

Intensidade SATA: 30mW/cm2.

Tempo de aplicação: 20 minutos.

Técnica de aplicação: estacionária.

            Num primeiro momento o leitor tem a impressão que esses parâmetros não poderiam ser programados em um equipamento de ultrassom convencional. Porém a literatura já aponta que equipamentos de ultrassom convencionais garantem boa resposta no tratamento de fraturas, desde que com a modulação correta.

A frequência do ultrassom convencional pode ser ajustada em 1MHz ou 3MHz, essa frequência determina apenas a qual profundidade o ultrassom chegará, no caso da escolha 1MHz assume-se que o feixe ultrassônico poderá ter uma ação profunda e no caso da escolha de 3MHZ o feixe poderá ter uma ação mais superficial. Ao se utilizar o ultrassom convencional para o tratamento de fraturas, o mesmo deverá ser programado para gerar o ultrassom com frequência de 1MHz.

            A modulação do DC em 20% é facilmente modulada em qualquer ultrassom comercial, e deverá ser respeitada. A intensidade SATA de 30mW/cm2 que acaba gerando confusão no momento de modular o equipamento convencional. A intensidade SATA não é diretamente modulada no equipamento, ela é o resultado da intensidade SATP multiplicada pelo DC. Por exemplo, para sabermos qual a Intensidade SATP que deverá ser programada no equipamento basta usar a fórmula:

I(SATA) = I(SATP) x DC%

            Então, como recomendado, o objetivo é entregar uma intensidade SATA de 30mW/cm2, usando-se um DC de 20%. O primeiro passo antes de aplicar os valores conhecidos na fórmula é converter mW/cm2 em W/cm2, logo:

 30mW/cm2 = 0,03W/cm2

Agora basta substituir.

I(SATA) = I(SATP) x DC%

0,03W/cm2 = I(SATP) x 20%

I(SATP) = 0,03W/cm2 / 20%

I(SATP) = 0,15W/cm2

Com isso deve-se programar o equipamento de ultrassom com I(SATP) igual 0,15W/cm2 (ou 0,2W/cm2) com DC igual a 20% o que garantirá uma I(SATA) de 30mW/cm2.

            E por fim, a aplicação estacionária por 20 minutos deverá ser respeitada e realizada sobre a pele tricotomizada e limpa com álcool, no local do traço de fratura na região mais superficial do osso. Recomenda-se aplicações diárias e acompanhamento radiológico para controle do processo de cicatrização.

            Abaixo, segue a programação a ser feita no equipamento convencional de ultrassom.

Frequência: 1MHz.

Duty Cycle: 20% com taxa de repetição do pulso em 100Hz.

Intensidade (SATP): 0,15W/cm2 ou 0,2W/cm2.

Tempo de aplicação: 20 minutos.

Técnica de aplicação: estacionária.